Bolsinhas, Sacos, Estojos e Organizadores com 20% off! Até 23/06. Use o cupom amo20

Como resolver conflito entre irmãos?

Tudo que os pais mais querem é ver os filhos crescendo e convivendo de maneira harmoniosa e saudável. Mas as discussões entre eles são inevitáveis e, na verdade, são mais POSITIVAS do que negativas. Isso mesmo! Elas são oportunidades para a educação social dos filhos, preparando-os para a vida em sociedade que eles irão ter no futuro. É preciso aprender a como fazer com que brigas se tornem grandes aliadas para o relacionamento entre os irmãos.  

 

Disputar a atenção dos pais, querer ser o primeiro em uma brincadeira, impor uma atividade e não aceitar a sugestão do outro, querer o mesmo brinquedo ou um aparelho digital que o irmão está utilizando, já pode ser motivo para uma discussão. Se um pegar algo do outro sem pedir autorização, é, de certo, guerra!

Eles podem acusar um ao outro pelo não cumprimento de regras estabelecidas para a família ou ainda, o irmão mais velho pode estar querendo “mandar” no caçula e estar se queixando de levar a “culpa de tudo” por causa do irmão menor e, o mais novo, estar se sentindo uma vítima “impotente” em relação ao primogênito e por isso, não para de gritar e chorar. Enfim, criatividade é o que não falta para eles armarem aquela confusão!

Atitude dos Pais

Tudo que os pais querem ao chegar em casa após um dia exaustivo de trabalho é um pouco de sossego e descanso. Mas, o que começa é o “terceiro turno” de trabalho. A mulher precisa preparar o jantar e dar atenção ao marido e aos filhos. Geralmente a briga acontece neste exato momento onde a irritação e o estresse acabam contagiando toda família. E, na maioria das vezes, a atitude dos pais é a de coibir seus filhos imediatamente quando escutam vozes alteradas, gritos e choros. Mas o que eles não percebem é que acabaram de perder uma oportunidade importante para a educação social dos filhos. A melhor coisa a se fazer nesta ocasião é respirar fundo, ter paciência e deixar eles se entenderem sozinhos. Agindo desta maneira, os pais estarão auxiliando seus filhos a desenvolverem características como autonomia, personalidade, altruísmo, diálogo e afetividade.

 Autonomia

Acompanhe a discussão de longe. Isso quer dizer que vocês não vão interferir mas também não vão ficar alheios ao que está acontecendo. Isso vai permitir aos filhos que exercitem a capacidade de resolver conflitos bem como a desenvolverem competências de autonomia, autocontrole, assertividade, comunicação, tolerância, respeito, equilíbrio entre flexibilidade e rigidez que serão indispensáveis ao longo de suas vidas.

 Personalidade

As atividades em conjunto que geram conflitos também acabam por afirmar a individualidade de cada um, o modo como pensam, agem e sentem. É onde os pais podem perceber a formação do eu, do caráter de cada um, desenvolvendo neles a auto-estima. Não há espaço para comparações porque são diferentes com personalidades distintas que precisam ser respeitadas. Cuidado para não confundir individualidade com egoísmo. Individualidade não quer dizer egoísmo, mas está mais ligada à auto aceitação e ao conhecimento de si mesmo que precisa acontecer primeiro para depois haver o relacionamento com o outro.

Altruísmo

Os filhos vão aprendendo lidar com sua própria individualidade e ao mesmo tempo começam respeitar a individualidade do outro. Eles vão se tornando compreensivos pouco a pouco no instante em que percebem que aquilo que não querem para si também não devem fazer com o outro. Começam a ter a capacidade de se colocarem um no lugar do outro. Por exemplo, se eu não quero ser ofendido, eu não vou ofender. Se eu não quero que gritem comigo, eu não vou gritar, se eu não quero ser agredido, não vou agredir. A interferência dos pais só é necessária em casos mais graves, quando a intolerância entre ambos for extrema e esteja impedindo a reconciliação entre eles. Neste caso é aconselhável a busca de uma ajuda profissional.

Diálogo

Incentive ambos à reflexão de quem está certo ou errado. Muitas vezes, no calor da situação eles não vão admitir seus próprios erros e vão acabar acusando um ao outro, mas quando a raiva passar, acabam descobrindo suas próprias falhas, pedindo desculpas e tudo fica bem. Portanto mamãe nada de estresse! Continue fazendo seu jantar e se um dos filhos chegar até você se queixando do outro, olhe dentro dos seus olhos e com calma e convicção diga; filho volte lá e converse com seu irmão. Eu sei que vocês vão acabar se entendendo porque vocês se amam!

Afetividade

Depois da reconciliação elogie esse momento de acordo entre os irmãos, diga o quanto isso é motivo de orgulho para a família por eles terem sozinhos resolvido seus problemas. Caso isso não aconteça de imediato, em outro momento, uma conversa em particular com cada um pode ajudar. Ouça o que cada um tem a dizer e observe como cada um se sente levando-os à reflexão para que tomem consciência de seus atos negativos. Incentive o carinho e o abraço entre eles e não se esqueça de que os pais precisam ser os primeiros a darem esses bons exemplos para os filhos. O especialista espanhol em Psicologia Educativa, Guillermo Ballenato, ressalta em seu livro “Educar sem Gritar” que a educação eficaz consiste em conseguir o equilíbrio entre firmeza e flexibilidade, a razão e as emoções, o controle e a liberdade”. Quanto mais os filhos perceberem este equilíbrio em seus pais, mais capazes serão de reproduzirem isso.

One response to “Como resolver conflito entre irmãos?

  1. Meus irmãos passam-se para os vizinhos uma boa impressão deles,mas, em casa são muito intolerante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading