was successfully added to your cart.

Meu filho mordeu o coleguinha. E agora?

A mordida é muito comum geralmente entre os primeiros 3 anos de vida da criança. Nas escolas e creches há sempre casos de vilões e mocinhos nesta história! Pequenos mordem ou são mordidos no maternal! Mas, e quando isso acontece com seu filho? Além de passar muita raiva ou vergonha, você sabe o que fazer?

Imagina só o constrangimento da mãe que, ao buscar seu filho na creche ou na escola, recebe a notícia que ele mordeu o amiguinho! Ela fica sem saber o que fazer, o que falar e como agir. Mas mãe, não se preocupe, seu filho em si não é um vilão; não é o primeiro e nem será o último a fazer isso. A vilã na verdade é a mordida! Você só precisa identificar em quais situações que ela ocorre e tomar as devidas medidas para lidar com isso até essa fase passar.

Quando a mordida acontece é comum os pais se perguntarem; mas por quê meu filho fez isso? Onde ele aprendeu isso? Nós não fazemos isso aqui em casa! Não nos tratamos de um forma agressiva! Na verdade, o ato de morder não está relacionado necessariamente a uma reprodução de ira. É algo que faz parte da fase oral da vida da criança e pode ocorrer por vários motivos.

A mordida acaba sendo uma forma de expressão já que o processo de comunicação da criança está em desenvolvimento e pode indicar um desejo, uma necessidade, uma frustração, um pedido de atenção, um incômodo no processo da dentição e, inclusive, expressar sentimentos de bem querer.

 

MOTIVOS QUE LEVAM A CRIANÇA A MORDER

 

Desejo

Quando a criança tem o desejo de possuir um objeto que está fora do seu alcance ela pode expressar isso através da mordida. Por exemplo, quando ela pensa: “Eu quero esse brinquedo” e por ventura, o coleguinha pega primeiro o objeto que ela quer; como está numa fase egocêntrica, onde tudo gira ao redor dela, a criança se sente frustrada e a saída que encontra para ganhar a disputa e conquistar o brinquedo acaba sendo a mordida.

 

Chamar atenção

Às vezes seu pequeno só quer dizer: “Olha! Eu existo.” Talvez ele esteja com ciúmes, se sentindo excluído ou até deixado de lado com a chegada de um amiguinho ou quem sabe de um irmãozinho. Dê muito carinho ao seu filho, mas dar total e plena atenção somente a ele não é um bom sinal. Pouco a pouco ele precisa entender que o mundo não gira ao seu redor.

 

Dentição

“Ai, ai, ai, mamãe, minha boquinha!”. Os dentinhos estão nascendo e geram um certo desconforto. Para encontrar uma solução rápida que venha auxiliar momentaneamente este incômodo, a criança acaba mordendo. Deixe sempre nas mãos do seu pequeno um mordedor ou brinquedo que ele possa colocar na boca, coloque-o na geladeira porque o frescor vai proporcionar um certo alívio nos dentinhos.

 

Demonstrar carinho

Pode parecer bem estranho morder para demonstrar afeto, mas é exatamente isso que muitas vezes os nossos pequenos fazem. Quem é que já não viu uma criança fofa e disse: “dá até vontade de morder”? Claro que não vamos fazer isso para machucar, mas muitas vezes utilizamos estas palavras para exprimir o quanto ficamos encantados com as graças de um bebezinho.

Sem perceber, brincadeiras de morder suavemente a barriga, os pezinhos, as bochechas e até o bumbum do bebê acabam fazendo com que os pequenos expressem também seus sentimentos de bem querer através da boca. Lembre-se que a tendência da criança é imitar nossas atitudes e, muitas vezes, quando seu filho morde o melhor amigo ele está apenas querendo dizer: “Você sabia que eu gosto muito de você”! Inacreditável! Mas há casos em que a intenção da criança é simplesmente demonstrar carinho.

 

COMO REAGIR COM A CRIANÇA QUE MORDEU?

 

Corrigir a criança, sem punir

Punições e castigos não vão ajudar a eliminar este tipo de comportamento. De forma bem objetiva, fale em poucas palavras; “agir assim não pode porque machuca o coleguinha”. Os gestos de cuidado que o adulto vai ter com o amiguinho vai fazer com que ela perceba que o que fez é algo ruim porque ela em si não tem consciência disso. As crianças nesta fase assimilam mais os fatos através da observação.

 

Incentivar o pedido de desculpas

Depois de ter demonstrado para criança que ela fez algo errado, peça que ela se desculpe com o colega e incentive, inclusive, um abraço ou um gesto de carinho. Em outro momento, utilize-se de música e teatro sobre bons comportamentos e trabalhe melhor o assunto de forma mais apropriada à linguagem da criança.

 

Promover atividades de socialização

Neste período a percepção de mundo que as crianças têm estão mais relacionadas a elas mesmas. Pouco a pouco, com o contato com outras crianças elas vão se desenvolvendo, começam a entrar no processo de socialização e vagarosamente vão aprendendo a se colocar no lugar do outro. Portanto, não dá para exigir delas que entendam algo que ainda não são capazes, mas dá para incentivar a comunicação e o convívio.

 

Jamais rotular a criança como “mordedora”.

Isso pode ter um efeito afirmativa sobre o fato e realçar este tipo de comportamento fazendo com que a criança repita o ato mais vezes com o mesmo amiguinho ou com os demais.

 

Prevenir

Desde a amamentação a criança faz a experiência de descobrir o mundo através da boca e isso é muito natural para ela. Brincadeiras que fazemos utilizando a boca podem incentivar que nossos pequenos as reproduzam no amiguinho. Nós sabemos a diferença entre beijar, morder de brincadeira e morder forte, já eles não!

 

Estar atento

Os responsáveis devem sempre estar observando a criança para evitar que tais atitudes se repitam e venha a machucar outras crianças. A tendência de mordidas constantes e em excesso, e, inclusive, de crianças acima de 3 anos, pode indicar problemas comportamentais mais sérios. Neste caso, devem passar por acompanhamento profissional para que se possa tomar medidas mais apropriadas.

 

O QUE FAZER COM A CRIANÇA QUE FOI MORDIDA?

Após a correção da criança que mordeu, a atenção dos adultos deve ser voltada para o tratamento daquela que foi mordida.

Jamais oriente a criança a revidar, mas incentive ela a criar mecanismos de defesa que demonstrem que não gostou do ocorrido.  Motive a criança a sair deste tipo de situação sem ser violenta, mas também sem ser vítima.

 

COMO OS PAIS DAS CRIANÇAS DEVEM AGIR?

Os pais da criança que mordeu geralmente ficam constrangidos, já os pais da criança que foi mordida ficam com raiva. Na verdade, eles precisam ser conscientizados que o problema é comum a todos os pequenos e em todos os lugares. Incentive a escola ou creche que seu filho frequenta a promover palestras para orientação do assunto e permitir a inclusão de crianças que possuem este tipo de comportamento.

A criança que mordeu jamais pode ser vista como “agressora” pelos seus próprios pais e nem pelos pais da criança que foi mordida. Não pode ser excluída do convívio das demais. Muito pelo contrário, deve-se incentivar seu relacionamento com outras crianças através de brincadeiras e atividades coletivas.

 

TUDO SE RESUME EM … UMA FASE

Ainda bem que tudo na vida da criança se resume em: FASES. O desenvolvimento dos nossos filhos passa por etapas e o interessante é que quando começamos a ficar “experts” em uma, eles passam para o próximo nível. Esse período em que a criança morde, não é diferente! Ele passa também. Mas o ciclo continua e quando aprendemos como lidar com determinada situação, outro processo se inicia e começa um novo desafio.

Enfim, eis o ato de ser mãe; um constante aprendizado.  Espero que tenha ajudado e até o próximo post!

Deixe um Comentário