was successfully added to your cart.

Por que as crianças pequenas reclamam tanto?

O choro é a forma de comunicação das crianças desde que elas nascem. Mas, a partir dos 2 anos de idade, a situação começa a ganhar um aspecto de rebeldia. Tudo porque os pequenos não aceitam ser contrariados e fazem birras para chamar a nossa atenção. Eles querem o que desejam num determinado instante e pretendem alcançar suas conquistas através do grito.

Durante este processo os pais precisam ter muita paciência e controle emocional para ensiná-los uma forma mais viável de expressão. Quanto mais ênfase as pessoas que estão ao redor da criança darem a ela; satisfazendo seus desejos quando esperneiam, mais e mais vezes ela repetirá este tipo de comportamento.

 

COMO AGIR DIANTE DAS QUEIXAS DO SEU FILHO?

Faça que a criança passe a ter uma percepção negativa de tal atitude

A criança precisa perceber que o que ela está fazendo é inapropriado. Ela precisa entender isso! Utilize-se de uma linguagem lúdica para demonstrar que seu comportamento não está correto. Por mais que você tenha dito, provavelmente a criança ainda não assimilou isso.

Faça um teatro com personagens de marionetes que conta uma situação similar à da criança. Assim, ela se identifica com a história e compreende que choramingar não é uma boa opção para alcançar o que se quer.

 

Não altere seu tom de voz

Fique calma e não deixe que a irritação da criança tome conta de você. Gritar não vai educar e nem resolver o problema, ao contrário, vai reforçá-lo. Peça para seu filho parar com a gritaria. Faça isso utilizando o tom normal da sua voz. Lembre-se que eles aprendem mais com o exemplo do que com palavras. Suas atitudes e o modo que você lida com isso em si é mais importante do que o “show” que ele está tentando dar.

Uma dica interessante de especialistas é filmar ou gravar seu filho quando ele está em estado normal e quando está dando um dos seus “pitis”. Mostre e coloque para ele ouvir a reação dele em ambos os casos quando vocês estiverem em um momento descontraído.

Faça com que seu filho avalie seus atos de uma forma que pareça uma grande brincadeira. Estimule o diálogo sobre o que ele está vendo ou ouvindo através de perguntas. Explique rapidamente a diferença das situações e como fica difícil e desconfortável ouvir resmungos e gritos. Dê a seu filho papel e giz de cera e peça para ele fazer ilustrações dos fatos. Vai ser bem divertido!

 

Dê atenção na medida certa para seu filho

Bem sabemos que o dia-a-dia de uma mãe é cheio de afazeres com os filhos, com a casa, com o trabalho e por aí vai. Seu pequeno começa a fazer birra para chamar atenção geralmente quando você está fazendo compras, ao telefone resolvendo algo importante ou cozinhando.

É exatamente no momento que você precisa de maior concentração que seu filho pensa necessitar da sua atenção e começa a dar “piti”. Criatividade para o escândalo não vai faltar! Ele poderá se jogar no chão, morder, gritar, chutar ou chorar para que seja notado.

Respire fundo, dê uma pausa, abaixe-se no nível da criança e diga fixando seu olhar nos olhos dele. “O que você quer?” Avalie a situação e dê o que ele pede naquele instante se realmente for essencial. De repente ele precisa ir ao banheiro e isso não dá para esperar. No entanto, se for algo superficial; como um brinquedo por exemplo, seja firme e não ceda. Simplesmente diga a ele: “Espere um pouco, já te dou”.

A criança também precisa ir desenvolvendo pouco a pouco a habilidade de ser paciente, uma vez que ela não é o centro do mundo e a atenção não pode e nem deve ser voltada exclusivamente para ela as 24 horas do dia. Por outro lado, há tempo para tudo. E seu filho realmente precisa viver momentos ao seu lado; leia histórias, brinque, dê muitos abraços e beijos nele. Tudo tem que acontecer com equilíbrio e na medida certa.

 

Faça elogios quando ele se comporta bem

Quando seu filho pede algo educadamente, procure recompensá-lo atendendo-o prontamente. Se naquele exato momento você está dirigindo, por exemplo, e não pode fazer imediatamente o que ele precisa, deixe isso claro e diga que assim que chegar em casa, ou que parar o carro, você irá fazer o que seu filho está necessitando.

Não esqueça de cumprir o que você combinou e de dizer o quanto você está orgulhosa por ele ter esperado o tempo certo para ser atendido.

 

Ajude a criança a se comunicar

Às vezes o resmungo do seu filho pode estar relacionado a uma forma de expressar seus sentimentos. Converse com ele e auxilie-o a identificar suas emoções. Por exemplo, você pode dizer: “Parece que você está triste. É porque eu não posso passear com você agora?”

Fale para ele: “A mamãe não consegue entender nada. Por favor, fale normal para eu te ouvir”. Faça gestos também como tapar as orelhas e fazer careta para que a criança possa assimilar que os gritos deles estão te incomodando.

 

Evite situações como fome e cansaço.

Qual a criança que não fica enjoada quando quer comer e dormir? Evite irritações desnecessárias. Jamais vá ao supermercado com seu filho antes das refeições e não saía de casa, nem mesmo para um passeio, esperando que ele fique bem-humorado quando estiver com sono.

Pais, mantenham-se firmes

Não caía na tentação de ceder os protestos exclusivamente com o intuito de seu filho se calar e você ter sossego. Se ele for irredutível a abaixar seu tom de voz, ignore-o. Não dê ibope até que o pequeno pare com o “show” e volte ao normal.

Somente quando ele se acalmar comece a negociar a melhor solução para o caso, que pode não ser necessariamente fazer tudo exatamente como ele quer. Tudo vai depender de como ele vai reagir no momento. Equilibre o SIM e o NÃO na vida do seu filho. Lembre-se que na vida ele irá ouvir muitos “nãos”, prepare-o!

Caso contrário, essas queixas, pouco a pouco, vão ir crescendo até se tornarem exigências. A partir daí o caminho de volta pode ser bem complicado , inclusive, chegar à idade adulta e não ter mais reversão. Por isso, muito atenção mamães! É melhor ter trabalho agora que são crianças e que podemos lapidá-las do que perdermos completamente o controle e ter trabalho dobrado quando atingirem a maioridade.

Deixe um Comentário