was successfully added to your cart.

Saiba como proteger o seu filho com essas dicas de segurança na internet

Olá, mamães! Neste post, vamos discutir algo que é uma preocupação de quem tem crianças: a proteção dos pimpolhos.

As crianças de hoje já nascem conectadas e integradas com a tecnologia. Enquanto nós demoramos décadas para usar smartphones e redes sociais, para elas é tudo natural. Ao mesmo tempo, tantos avanços trazem novas preocupações. Então, nunca é demais conhecer algumas dicas de segurança na internet.

A verdade é que o ambiente digital está cheio de possibilidades e de aprendizado. Porém, também sabemos que há riscos que devem ser evitados, não é? Afinal, ainda que o pequeno já se sinta um miniadulto, ele está exposto a conteúdos — e usuários! — indesejáveis. Não dá para descuidar, então é fundamental atentar para o uso da internet.

Mas, como fazer isso sem chororô e ainda de um jeito efetivo? Neste post, você vai ver dicas de segurança na internet que prometem deixar você dormir mais tranquila. Confira!

Use filtros de controle dos pais

As ferramentas para controle de pais e responsáveis são as nossas grandes aliadas da segurança virtual. Elas foram pensadas para quem deseja construir um ambiente adequado para a idade de cada criança. Por isso, contam com diversos recursos que oferecem segurança.

Há, por exemplo, o mecanismo de busca segura do Google. Quando ele está ativado, certos sites e imagens não são apresentados. Então, há riscos menores de a criança se deparar com um conteúdo inadequado.

Também há a possibilidade de configurar perfis específicos para as crianças. É o que acontece na Netflix e no Youtube Kids. Com esses serviços, os usuários mirins não têm acesso às “coisas de adulto” e não se deparam com o que não deveriam ver.

Além de tudo, há softwares e recursos que permitem filtrar certos elementos da navegação infantil. Você pode especificar palavras-chave, proibir o acesso a sites específicos e até bloquear horários de utilização. Com esses filtros, temos a chance de controlar o que eles podem ou não ver. Demais, não é?

Crie senhas fortes e mude-as com frequência

Também não adianta colocar aquele filtro que barra tudo, mas se esquecer de ter uma boa senha. Afinal, a sequência “123456” não engana ninguém. Dependendo da idade do pequeno usuário de internet, o seu aniversário também é óbvio, assim como a data de nascimento dele. Basta descuidar na criação das senhas para ver o grande escudo ser jogado pela janela. Não dá para se arriscar, certo?

A minha recomendação é criar senhas fortes. Pense em uma combinação bem aleatória, com letras, números e símbolos. Capriche no tamanho e na sequência. Apenas não se esqueça de anotar.

Você pode enviar para o seu e-mail, por exemplo. Quando precisar mudar as configurações, é só buscá-la para usar. Se preferir, também dá para pensar numa combinação menor, mas que o pequeno nunca vai adivinhar.

Mas fique esperta! Como sempre é possível que eles descubram a senha — sim, eles fazem coisas impossíveis! —, o ideal é trocá-la com frequência. Assim, não há dúvidas sobre a proteção.

Tenha cuidado com as redes sociais

Não dá para falar em dicas de segurança na internet sem citar as redes sociais. Tudo bem, eu concordo que elas são ótimas para conversar com aquela amiga do colégio que se mudou para outro estado. Também é ideal para ficar em contato com os amigos e com os familiares. Por isso, não tem problema deixar as crianças usá-las, certo? Não é bem assim.

Esses ambientes, infelizmente, estão repletos de pessoas com intenções ruins. Desde quem deseja roubar dados até adultos que se passam por crianças. A precaução nunca é exagerada. Portanto, vale tomar cuidado com a configuração de perfis nesses serviços.

Na verdade, a maioria deles é proibida para menores de 13 anos — então, vamos respeitar as regras! Se decidir pela criação mesmo assim, tenha alguns cuidados. Deixe o perfil privado e sempre fique de olho nas conexões e interações infantis. O uso tem que ser monitorado para evitar aproximações perigosas.

Converse com a criança

Vamos falar a verdade: todas essas ações são muito importantes, mas não são totalmente efetivas. Afinal, seu filho pode acabar vendo o que não deve no celular do melhor amigo na escola. Como evitar os riscos em todos os momentos, então?

Uma das dicas de segurança na internet é bem simples: converse. Em vez de apenas impor o que é proibido, como se você fosse uma rainha tirana aos olhos dele, explique os motivos.

Diga que não falar com estranhos nos jogos ou em redes sociais é importante porque não dá para saber quem está do outro lado. Nesse caso, é melhor só conversar com amigos e parentes que ele conhece na vida real.

Fale, também, sobre a existência de conteúdos inadequados para a idade e demonstre que cada fase tem as suas características. Mostre que a internet pode ser ótima e que você deposita confiança nele.

Reforce, ainda, a necessidade de não compartilhar dados pessoais, como o nome completo ou a escola que frequenta. E principalmente: explique que é importante pensar na segurança mesmo que esteja dentro de casa.

Conforme ele for crescendo e as necessidades mudarem, inclua novos elementos na comunicação. Assim, seu filho sempre vai entender quais são os motivos por trás de uma proibição ou de um acesso negado.

Envolva-se na experiência virtual

Além do diálogo, a nossa participação é fundamental. Não podemos deixar todo o cuidado a cargo de um filtro de conteúdo se realmente quisermos que eles estejam protegidos. Portanto, é essencial que você se envolva em toda a experiência virtual.

Em vez de deixar que o pequeno fique horas sozinho na frente de uma tela de celular ou computador, que tal participar da brincadeira?

Disputem partidas do jogo preferido dele — e, enquanto isso, você vê se o conteúdo é adequado, se existe algum perigo ou se algo deve ser conversado. Nas redes sociais, naveguem juntos e batam papo sobre o que encontrarem. Ao fazer parte do mundo virtual dele, é improvável que ele caia nessas armadilhas.

Se, mesmo assim, alguma falha de segurança ocorrer, ainda tem jeito! Ao unir diálogo e envolvimento, você faz com que a criança se sinta segura para procurar a sua orientação.

Estimule-a a falar o que ela tem visto na internet ou o que tem jogado. Diga que ela sempre pode contar se algo a deixar desconfortável ou se tiver dúvidas. Assim, você consegue estar por dentro.

Além de todos esses cuidados, é preciso pensar nas responsabilidades e tarefas. Quem nunca procrastinou um pouco a mais ao descer o feed do Instagram? Com o pequeno, é a mesma coisa. Então, é essencial estabelecer horários fixos — e curtos! — para a utilização. Além de o risco ser menor, é um jeito de manter a rotina de estudos e de outras atividades.

Com essas dicas de segurança na internet, tenho certeza que seu filho estará mais protegido. Então, vamos nos adaptar a esse mundo digital e aproveitá-lo da melhor forma para o conhecimento e desenvolvimento das crianças!

Por falar em aprendizado, aproveite e veja 5 dicas para manter a rotina de estudos sempre em ordem!

Um comentário

Deixe um Comentário