Bolsinhas, Sacos, Estojos e Organizadores com 20% off! Até 23/06. Use o cupom amo20

Retinoblastoma: Saiba Tudo a Respeito

Retinoblastoma é um tipo de câncer maligno que acomete os olhos de crianças entre 1 e 5 anos. O principal sintoma da doença é uma mancha branca que pode ser percebida com a incidência de luz.  Porém, isso ocorre quando o tumor já está bem evoluído. Mas, existem outros sintomas, são eles:

  • Estrabismo;
  • Fotofobia;
  • Inflamações e conjuntivite;
  • Alterações no olho.

Se diagnosticado o quadro, o médico deve determinar o melhor tratamento que pode ser uma cirurgia, quimioterapia intravenosa ou outras opções. O que define isso é, principalmente, o estágio de avanço da doença.

Retinoblastoma: saiba tudo a respeito

Recentemente o apresentador Tiago Leifert veio a público acompanhado de sua esposa, Diana Garbin, falar sobre retinoblastoma. A pequena Luna, filha do casal de famosos, foi diagnosticada com esse quadro que é bem pouco conhecido, mas que requer muita atenção.

A doença que já é grave, se torna mais desafiadora por ser bastante silenciosa. E também por acometer principalmente crianças pequenas, que dificilmente mostram alguma queixa que ajude a identificar o problema.

Então, como os pais podem se antecipar para perceber o que está acontecendo? Por isso, hoje falaremos tudo sobre retinoblastoma e vamos abordar as principais dúvidas que surgiram sobre esse tema.

O que é retinoblastoma, afinal?

Conforme já dissemos, retinoblastoma é um tipo de câncer que acomete os olhos de crianças e pode ser de origem hereditária ou não. O tumor maligno se desenvolve na retina e causa um reflexo branco chamado de leucocoria. Esse reflexo acontece porque, conforme o tumor cresce ele acaba descolando a retina e gera essa mutação.

Embora seja o tipo mais comum de câncer nos olhos de crianças de 2 a 5 anos, ainda é considerado um quadro raro, com cerca de 400 novas ocorrências ao ano.

O fato de não ser tão frequente somado aos sintomas muito sutis faz com que infelizmente a doença seja identificada tardiamente na maioria das vezes. Isso acaba diminuindo muito as chances de cura e preservação da visão – e até da vida das crianças que têm essa doença.

Tipos de retinoblastoma:

Existem dois tipos de retinoblastoma: o unilateral e o bilateral.

O unilateral atinge apenas um dos olhos e é também chamado de esporádico. Isso porque ele surge de maneira aleatória a partir de uma modificação em uma das células.

Já o bilateral é de origem hereditária e atinge ambos os olhos. Existem pouquíssimas incidências de casos de bilateral que não sejam herança de um de seus pais.

O que causa o retinoblastoma?

O retinoblastoma é um câncer de que se sabe bem pouco. Não há muitas informações sobre como ele surge, exceto em casos de hereditariedade.

Isso também não significa que obrigatoriamente pais que tiveram a doença na infância vão repassá-la aos filhos. No entanto, as chances de isso acontecer são muito grandes.

Existem também algumas pesquisas que apontam uma relação entre o vírus HPV e o retinoblastoma. Como bem sabemos, o HPV é um dos causadores do câncer de colo de útero e pode ter alguma ligação com o câncer de retina.

Grupo de risco

Estudos apontam que cerca de 90% dos casos ocorrem em crianças de 0 a 5 anos. Essa é a faixa etária considerada como grupo de maior risco para desenvolver a doença.

Em geral os pais conseguem perceber o problema por volta de 1 a 2 anos de idade. Mas, como dissemos se trata de uma doença silenciosa e cujo único fator de risco concreto é os pais terem sofrido com o quadro na infância.

É possível identificar o retinoblastoma mais precocemente?

Apesar de ser uma doença com sintomas bem discretos, é possível observar alguns aspectos que ajudam a perceber o problema e quem sabe antecipar o tratamento. Esse é um dos pontos mais importantes!

O que torna o retinoblastoma perigoso é justamente o atraso no diagnóstico. Com isso a doença pode avançar para um estágio mais complicado, podendo levar a criança à cegueira ou a morte.

Então, preste atenção em nos sintomas:

Leucocoria:

Esse é o principal sintoma, lembra? Se trata de um reflexo branco que aparece nos olhos em algumas ocasiões, como nas fotografias.

Essa mancha branca significa que a luz está incidindo sobre a superfície do tumor. Também indica que a luz não está conseguindo penetrar além desse ponto.

Com isso, as vias óticas podem acabar atrofiando, o que leva a um quadro de cegueira. É importante esclarecer que olhos saudáveis refletem o flash de fotografia como vermelho, nunca branco.

Outros sintomas

Não é só a Leucocoria que pode servir como alerta para essa doença. Outros sintomas um pouco mais genéricos podem ajudar a identificar o quadro. São eles:

  • Estrabismo: quando os olhos parecem desalinhados ou se movimentam de maneira independente, sem seguirem o mesmo fluxo;
  • Fotofobia: fotofobia é uma sensibilidade exagerada à luz. Geralmente a criança não consegue ficar com os olhos abertos, demonstrando grande incômodo com a luminosidade;
  • Aparência anormal do olho: espasmos, movimentos que pareçam involuntários ou repetitivos – como ficar jogando os olhos para um lado e para outro – são alguns sintomas importantes de serem investigados;
  • Inflamações e Conjuntivites: inflamações e conjuntivites constantes também merecem atenção, e podem apontar algum problema ocular que demande mais cuidado.

A atenção redobrada é fundamental nos primeiros 5 anos de vida.

Qual especialista pode identificar e tratar a doença?

O médico que vai efetivamente tratar e diagnosticar um caso de retinoblastoma é o oftalmologista. Porém, o pediatra também pode ajudar a identificar o problema.

Por isso é tão importante manter as consultas em dia. Você deve fazer acompanhamentos frequentes, garantindo que a criança esteja devidamente assistida pelos especialistas.

Para isso, pode ser interessante contar com um quadro planejador para não perder nenhuma consulta.

Teste do olhinho:

O teste do olhinho é um exame crucial que ajuda a identificar diversos problemas oculares. Ele consiste em o pediatra apagar as luzes e usar uma lanterna para ilumina os olhos do bebê.

Esse exame é tão importante que se tornou obrigatório no atendimento da rede pública de saúde no Brasil e pode ser feito sem a presença de um oftalmologista.

O oftalmo geralmente é indicado quando o próprio pediatra, durante esse exame, identifica qualquer anomalia ou algum sinal preocupante. Esse é um dos exames mais eficazes para identificar retinoblastoma.

Tratamento para retinoblastoma

Os tratamentos para retinoblastoma em crianças também varia. O fator principal que determina o tratamento adequado é o estágio da doença.

Se identificada no começo, a enfermidade pode ser tratada de forma mais simples, menos agressiva e com melhores resultados. Conforme avança o quadro, mais agressivo o tratamento se torna.

Os tratamentos mais frequentes são:

  • Cirurgia;
  • Quimioterapia sistêmica;
  • Quimioterapia intravítrea;
  • Quimioterapia intra-arterial.

Somente a análise do quadro feita por um especialista pode determinar o melhor tratamento.

Descobri que meu filho tem a doença, o que fazer?

O retinoblastoma é um tipo de câncer que precisa ser devidamente tratado o quanto antes.  O primeiro passo é manter a calma e juntamente com um médico especialista definir o plano de tratamento adequado.

No mais, é interessante se munir de informações que contribuam para amenizar a angústia do coração. Saiba que mais de 70% dos casos costumam obter bons resultados com o tratamento, segundo dados do Hospital Santa Marcelina, o percentual é de 71%.

Enfrentar situações como essa nunca é fácil, mas a união e amor são poderosos para superar obstáculos que podem parecer intransponíveis. Apenas faça o que precisa ser feito! Vai ficar tudo bem, você vai ver.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading