was successfully added to your cart.

Mitos e Verdades da Alimentação Infantil

É muito comum que as mães, principalmente as de primeira viagem, tenham dúvidas frequentes sobre a alimentação infantil. Dessa forma, é preciso buscar informações que as orientem em direção a uma nutrição adequada para o desenvolvimento saudável dos seus filhos.

Existem muitos mitos acerca da alimentação infantil que povoam o imaginário das mamães de crianças pequenas. Muitas vezes, acabam atrapalhando esse grande desafio que é oferecer uma alimentação saudável para família.

Por outro lado, existem verdades que devem ser conhecidas, baseadas em pesquisas científicas e que promovem a saúde e o bem-estar das crianças. Pensando nisso, escrevemos este artigo para que você conheça os principais mitos e verdades da alimentação infantil. Boa leitura!

Mitos da alimentação infantil

Os bebês devem beber água na fase de amamentação

As crianças amamentadas não precisam de água, pois o leite materno contém a quantidade de água que um bebê precisa. Até os seis meses, quando o alimento sólido é introduzido, não há necessidade de dar água adicional para a criança beber. No entanto, as crianças alimentadas com fórmula desde o nascimento podem receber água fervida e resfriada.

Só frutas e verduras devem ser introduzidas no começo da alimentação

Não podemos negar que as frutas e verduras fornecem vitaminas e minerais essenciais para a nutrição infantil. No entanto, a partir dos seis meses, a criança pode ser apresentada a diferentes alimentos, como carnes, hortaliças, tubérculos, ovos e leguminosas.

Introduzir um cardápio colorido, com opções que incluem todos os grupos alimentares é bom para a nutrição da criança e ainda contribui para que ela possa experimentar e fazer escolhas. Vale lembrar que até os dois anos o leite materno deve ser ofertado.

Aos seis meses o bebê já consegue triturar o alimento

O alimento oferecido ao bebê a partir dos seis meses deve ser peneirado ou triturado. Existe um mito que quando os dentinhos começam a nascer, eles já conseguem triturar o alimento, o que não é verdade.

O alimento deve ser transformado em uma papinha, amassando-o ou batendo no liquidificador até que fique com uma consistência cremosa. A carne também deve ser cozida e amassada, mesmo que fiquem pequenos pedaços, o que é até saudável para que o bebê não tenha dificuldades mais tarde para aceitar alimentos sólidos.

Mel é um alimento saudável para os bebês

Um dos poucos alimentos que as crianças com menos de 12 meses não devem comer é o mel. Ele contém esporos de botulinum que produz toxinas intestinais e pode causar botulismo.

É bom acrescentar leite ou açúcar nas papinhas

Esse é um mito muito comum, como se assim as crianças fossem aceitar melhor o alimento. No entanto, isso é mais prejudicial do que pensamos, pois modifica o sabor e a consistência dos alimentos, além da recomendação de não ingerir açúcar antes dos dois anos.

O açúcar tem alto teor glicêmico e estimula o paladar receptivo ao doce, o que pode interferir nas escolhas por alimentos mais saudáveis e aumenta o risco de ser consumido excessivamente.

Suco natural é melhor que fruta

O suco de fruta é muito saudável para as crianças, mas as frutas são ainda melhores. Na verdade, as crianças deveriam comer pelo menos 2–3 porções de frutas por dia na fase pré-escolar, uma vez que isso lhes fornece as fibras necessárias para um melhor movimento intestinal. 

Até os três anos não se deve dar sucos para as crianças nas refeições, pois consumir grande volume de uma vez pode gerar um desequilíbrio nutricional.

Não é preciso se preocupar se a criança estiver com sobrepeso

Muitos pais pensam que não precisam se preocupar com sobrepeso de seus filhos antes dos sete anos, pois a criança ainda está em fase de desenvolvimento. No entanto, a obesidade infantil existe e potencializa o desenvolvimento de doenças, como a diabetes.

Além disso, o sobrepeso pode trazer consequências para a vida adulta, como o surgimento de outras doenças crônicas. É preciso educar as crianças, incentivando a escolha de alimentos saudáveis, sem excessos, assim como a prática de atividades físicas.

Verdades da alimentação infantil

Leite de vaca não é indicado para bebês menores de 1 ano

O leite é um alimento rico em cálcio, mas não deve ser introduzido antes dos 12 meses.

Após seu bebê completar um ano, ele pode ter contato com o leite de vaca, mas enquanto o aleitamento persistir (preferencialmente até os dois anos) não há necessidade de usar outros leites.

É importante verificar se o seu filho não possui intolerância a lactose, portanto diante qualquer reação alérgica, procure um médico.

O leite materno como único alimento até os 6 meses

O bebê deve se alimentar somente com leite materno até os seis meses, conforme a Sociedade Brasileira de Pediatria. Além de ser um alimento completo que protege o bebê e estimula o sistema imunológico, nos primeiros meses de vida o sistema digestivo está em maturação.

Caso não seja possível a amamentação, a indicação é usar fórmula infantil.

Após os dois anos, a criança deve tomar leite de vaca

À partir dos dois anos, a criança já pode tomar leite de vaca, um alimento rico em cálcio. 

As crianças preferem os alimentos doces e calóricos

É verdade que os alimentos doces e calóricos são preferidos pela maioria das crianças. Isso porque, entre os 2 e 6 anos, elas estão em fase de transição alimentar e o sabor doce é inato, não é um sabor aprendido. No entanto, cabe aos pais estabelecerem os limites para seus filhos.

Não obrigar a criança a comer tudo

Muitas vezes, pais e mães preocupados com a alimentação dos filhos, acabam obrigando que eles comam tudo que está no prato. No entanto, pode acontecer da quantidade ofertada ser maior que a criança consegue comer. A dica é colocar um pouco no prato e quando ela acabar, perguntar se quer mais.

Evitar alimentos industrializados

Sempre que possível, o melhor é evitar alimentos ricos em gorduras, açúcar, sódio, corantes e conservantes. Refrigerantes, salgadinhos, biscoitos recheados, entre outros, oferecem riscos à saúde da criança, como predisposição a diabetes, obesidade, dentre outras doenças.

Agora que você já entendeu um pouco mais sobre os mitos e verdades da alimentação infantil, que tal planejar as refeições do seu filho com o ímã planejador de refeições? Personalize o seu aqui!

Deixe um Comentário