was successfully added to your cart.

Como lidar com crianças que não gostam de comer nada?

Seu anjinho já está grande o suficiente para aceitar comida, mas tem um problema, ele não gosta muito de comer.  Isto lhe soa familiar?

Tem dias em que a refeição parece perfeita, você consegue limpar o prato, e todo mundo acaba feliz, mas tem horas em que é um misto de birras e por mais que você faça os famosos aviõezinhos, não há jeito de fazer seu filho comer.

Não pense que isto é um problema apenas seu, cerca de 90% das crianças passa por isto – ou seja, a maioria dos pais acaba precisando aprender a fazer malabarismos à mesa para levar aos filhos uma refeição que seja formada por opções variadas.   Afinal, ficar todos os dias comendo apenas os pratos favoritos pode não ser muito saudável, e ainda vai dar ao filho a impressão de que não precisa comer nada além do que mais deseja.   Consequentemente teremos adultos que não criaram hábitos alimentares corretos, e você sabe bem o que isto pode causar.

Conheça as Nossas Dicas para a Hora da Refeição

Comece cedo, e dê o exemplo.  Isto influencia muito a aceitação dos alimentos.  Quanto mais alimentos você oferecer ao seu filho, maiores as chances de que ele amplie o gosto e passe a saborear com prazer um número muito maior de legumes e verduras.  Dificilmente uma criança vai gostar de brócolis e beterraba se você não tiver o hábito de comer isto também.  Gostar de batatas, arroz e feijão é quase sempre fácil, justamente porque são alimentos muito comuns e, por serem mais simples de preparar, são frequentemente encontrados em todas as mesas.

1.Apresente os legumes e verduras em pequenas porções, e explique de onde vem – pode começar com a feira, o mercado onde compra e falar de hortas e plantações. Diga de forma lúdica sobre os benefícios daquele alimento.  Lembra do espinafre que o Popeye comia para ficar forte? Use exemplos similares, como as cenouras fazem bem aos olhos, etc

2. Quando seus filhos já estão um pouco maiores, pode ser uma boa ideia mostrar a eles como eles estão se comportando, e isto pode ser feito com um quadro de incentivo na cozinha, onde eles ganham pontos a cada refeição bem completada. Sabe o método que as professoras usam de dar estrelinhas para quem completa a lição?  É algo bem parecido.  A ideia é deixar algo chamativo e interessante.  Assim, para cada refeição que eles comerem tudo (ou o suficiente) você pode colocar uma estrelinha ou outra coisa que os represente

3. Leve seus filhos para a cozinha. Ajudar a preparar a refeição pode ser muito divertido.  Tarefas como quebrar os ovos, descascar cenouras e espremer laranjas podem ser feitas sem muitas dificuldades pela maioria das crianças.  Vale dizer que lavar os legumes e ajudar a olhar as folhas da salada – e escolher qual será a salada – ajuda muito a aumentar o interesse da criança.

4. Mantenha a calma. Esta pode ser a dica mais difícil de seguir, ainda mais se que você preparou tudo com carinho, dedicou tempo e energia, e seu filho nem sequer deu uma segunda olhada no prato. Mantenha a calma e tente focar no que ele conseguiu comer.  É fato que comemorar as pequenas vitórias ajuda muito, e diminui o seu stress também.  Assim, mesmo que hoje não seja o melhor dia da semana, vocês estarão menos cansados ao saírem da mesa, com mais pique para a próxima vez.

5. Resista um pouco mais. Começou a birra porque não tem purê de batatas ou batatas fritas?  Acredite, a birra vai passar se você não ceder.  Use o quadro que mencionamos acima, ou um sistema de recompensas.  Se seu filho assiste a programas como Veggie Contos, você ainda pode usar o argumento de que:  “este legume é o mesmo que você vê naquele programa que você adora”.

6. Para evitar cair na armadilha de ‘fazer um lanchinho rápido’ muito calórico por falta de tempo, tenha sempre frutas picadas, fáceis de comer. Você pode fazer lanchinhos saudáveis e deixar ao alcance dos pequenos na geladeira. Para ter sucos sempre à mão e evitar os refrigerantes, faça polpa de frutas congeladas. Bater as frutas no processador e congelar em saquinhos ajuda muito no processo.

7. Fazer a própria horta. Se você tem um quintal e pode fazer uma horta com vários tipos diferentes de hortaliças, saiba que isto pode ajudar e muito, afinal, brincar na terra com uma desculpa boa é tudo o que eles precisam. Mas, se mora em apartamento, ainda pode fazer uma ‘hortinha de temperos’ e incumbir seus filhos de te ajudar a cuidar.  Orégano e tomilho, por exemplo, se dão muito bem em apartamentos.  É uma forma de mostrar de onde os vegetais vêm.

8. Na linha dos lanchinhos saudáveis você ainda pode criar combinações que estimulam o apetite das crianças e o interesse por novos tipos de comida. Lanchinho de tapioca com queijo branco, geléia de frutas e amêndoas em lascas, salada de frutas com iogurte, sanduiche de pão integral com creme de ricota.  Saladinhas com tomates cerejas, por exemplo.  Você pode brincar com as crianças e fazer embalagens coloridas, e também brincar com os formatos dos lanchinhos – formatos redondos, triangulares e até em carinhas felizes.

9. Uma dica pessoal: tem uma coisa que funcionava bem com minha filha quando ela ainda era pequena, foi criar historinhas em que os alimentos faziam a diferença na atuação do herói, no caso, a melhor história era sobre a Rapunzel que mudava a cor do cabelo conforme os legumes que comia, as beterrabas e cenouras se tornaram os alimentos preferidos. Afinal, ela também queria ter cabelos roxos e alaranjados. Ou ainda, como quando eu contava sobre os alimentos que os personagens comiam, como a “comida de ogro”, do Shrek, na cor verde, esta era uma sopa creme de espinafre e fazia muito sucesso.

Vale lembrar que cada criança tem um ritmo próprio, que deve ser respeitado, e aprimorado.  Você vai perceber que seu anjinho gosta mais de um tipo de comida que de outro, e é a combinação do que ele conhece e gosta com o que ele ainda não conhece – ou não gosta muito – que deve ser testada, para que todos os alimentos necessários sejam consumidos.  Cuidar dos nutrientes dos pequenos é um desafio e tanto, e em grande parte, é uma verdadeira questão de tentativa e erro.  Paciência, carinho e amor, fazem toda a diferença em qualquer mesa.

2 Comentários

  • suely guimaraes soares disse:

    minha neta tem 2 anos e9meses,estamos desesperadas eu e minha filha mae da lais,vou explicar ; na afliçao entre angustia e outros sentimentos ,começamaos a bater junto com o feijao todos os legumes que ela recusou ;porque ela estava perdendo peso ,mais agora nao quer mais,nao sabemos o que fazer .todo dia na hora da refeiçao é só pirraça brigas e choro .o que vou fazer,por favor nos ajude.obrigado

    • renata disse:

      Oi Suely, difícil mesmo essa situação. O mais importante é tentar manter a calma. Quando estamos nervosas nada dá certo, não é verdade ?
      Tente oferecer os alimentos de uma forma diferente. Bolinhos com legumes, vegetais em palito (cenoura, pepino, etc), as florzinhas do brocolis, etc. Deixe ela comer com a mão e comer sozinha. De repente ela gosta da brincadeira e acaba comendo mais. Boa Sorte!

Deixe um Comentário