Bolsinhas, Sacos, Estojos e Organizadores com 20% off! Até 23/06. Use o cupom amo20

Método Dunstan – Interpretando o Choro do Bebê

As pesquisas que deram origem ao Método Dunstan entendem que existem basicamente 5 linguagens que os bebês utilizam para se comunicar com os pais entre os 0 e 3 meses. Esses sons podem comunicar diferentes necessidades, sendo elas:

  • Neh: indica que o bebê está com fome;
  • Owh: indica cansaço;
  • Heh: aponta algum desconforto – fralda suja, frio, calor…
  • Eairh: indica a necessidade de massagem para gases;
  • Eh: indica que o bebê precisa arrotar.

O Método Dunstan nos ensina que antes de começar a chorar com intensidade por um dos motivos citados anteriormente, o bebê emite sons diferentes para cada demanda repetidamente.

Método Dunstan – Interpretando o Choro do Bebê

O choro do bebê pode ser angustiante para os pais, sobretudo os de primeira viagem. É instintivo tentar aplacar, mas nem sempre isso acontece, pois apesar de tentarem – o bebê simplesmente não se acalma e o pior, intensifica ainda mais os gritos.

Um dos grandes desafios dos pais é entender o que o bebê precisa exatamente quando está chorando. O caminho mais comum é apostar em todas as necessidades básicas – alimentar, verificar a fralda e tentar fazer dormir. Mas nem sempre isso soluciona.

Fato é que os bebês não vêm com manual de instruções. Muitas vezes é justamente na base do “achômetro” que os pais conseguem diminuir a agonia da criança e amenizar os períodos de choro.

Mas o que muitos nem desconfiam é que uma pesquisadora australiana chamada Priscilla Dunstan dedicou muito tempo de sua vida para tentar interpretar o choro do bebê. É aqui que nasce o Método Dunstan.

O que é e como funciona o Método Dunstan?

As pesquisas que deram origem ao Método Dunstan entendem que existem basicamente 5 linguagens que os bebês utilizam para se comunicar com os pais entre os 0 e 3 meses. Esses sons podem comunicar diferentes necessidades, sendo elas:

  • Fome;
  • Cansaço;
  • Necessidade de arrotar;
  • Gases e outros desconfortos.

Não é preciso ser muito experiente para saber que geralmente o bebê chora por um desses motivos, mesmo. Ocorre que os pais precisam testar diferentes soluções até chegar ao ponto da necessidade da criança – e até isso acontecer todo mundo já se cansou e se estressou com a choradeira, adultos e crianças.

O Método Dunstan nos ensina, porém, que antes de começar a chorar com intensidade por um dos motivos citados anteriormente, o bebê emite sons diferentes para cada demanda repetidamente.

Portanto, entendendo e interpretando esses sinais os pais podem se antecipar, resolvendo a questão da criança antes que aquilo se torne um sofrimento passível de choros que podem durar mais de uma hora.

5 sons básicos da linguagem do bebê

Então, você já sabe que o seu bebê pode emitir até 5 sons diferentes para apontar uma necessidade. Segundo o Método Dunstan, esses sons são os seguintes:

  • Neh: indica que o bebê está com fome;
  • Owh: indica cansaço;
  • Heh: aponta algum desconforto – fralda suja, frio, calor…
  • Eairh: indica a necessidade de massagem para gases;
  • Eh: indica que o bebê precisa arrotar.

Lendo assim pode ser que você julgue impossível distinguir esses sons emitidos pelo seu bebê. Mas, na verdade é bem possível percebê-los, principalmente porque em geral os bebês os emitem repetidas vezes antes de apelarem para o choro.

Para lhe ajudar a entender melhor como esses sons funcionam na prática, separamos aqui um vídeo com um exemplo prático de um deles. O vídeo está em inglês, mas refere-se a expressão que indica fome, portanto, “neh”.

Clique aqui para acessá-lo e veja inúmeros exemplos de bebês famintos que, antes de partirem para o choro intenso, acabam emitindo o som para indicar a necessidade de ser alimentado.

Por que só até os 3 meses?

Os primeiros meses do bebê em casa são os mais trabalhosos. Durante esse período os pais estão se adaptando a esse novo ser humano que já pode expressar uma personalidade, e se adaptando à uma nova rotina também.

São semanas bem cansativas tanto do ponto de vista físico, quanto do ponto de vista mental. Então, é válido pensar em alterativas que tornem a adaptação de todos menos estressante e é aí que a interpretação do choro se torna importante.

Mas, o motivo principal pelo qual o Método Dunstan só é válido pelos primeiros 3 meses tem relação direta com o desenvolvimento normal das crianças. A partir desse período os bebês já começam a desenvolver uma linguagem própria – e ligeiramente mais ampla.

Sendo assim, não é possível mais interpretar sons comuns, pois cada criança tende a se manifestar de um jeito a partir desse ponto. Dessa forma, nesse momento também ficaria bem mais fácil entender o que o bebê quer, pois ele já possui uma comunicação mais fácil de interpretar.

Entendendo melhor cada choro

Para ficar mais claro como é que esse método funciona, criamos um guia rápido sobre a interpretação de cada choro, de modo que fique mais claro para pais e responsáveis como identificar cada necessidade.

Choro da fome

Ao primeiro sinal de choro é normal que as mães já comecem a pensar em fome. O método Dunstan explica que o choro do bebê característico de fome é quando ele mantém a língua pressionada no céu da boca e emite um som de “neh”.

Choro de gases

Gases podem causar dores e desconfortos que levam os bebês ao choro. Nesse caso a tendência é que ele comprima a caixa torácica. O choro do bebê tem a intenção de tirar algo de dentro, algo que o está incomodando. Por isso  ele acaba fazendo um som de “eh”.

Choro de desconforto

Fralda suja, posição errada, calor, frio…são muitos os motivos pelos quais o bebê pode demonstrar desconforto. Mas ao identificar o choro do bebê próprio para essa comunicação você já elimina muitas possibilidades.

Esse choro emite um som parecido com o “heh”, quem vem em tom de reclamação e pausadamente.

Choro de sono

O choro de sono é emitido como um “Owh” e pode se assemelhar bastante com um bocejo, especialmente pela forma ovalar que a boca do bebê adquire ao emitir o som.

Choro de cólica

Esse talvez seja um dos mais fáceis de identificar, já que ele é mais irritado, mais estridente, forte e insistente. O bebê demonstra desconforto e sofrimento e costuma chorar dizendo algo parecido com “eairh”.

Dicas importantes para adotar o método Dunstan

Para quem está tendo o primeiro contato com o Método Dunstan pode até parecer difícil e complexo demais identificar os sons emitidos pelo bebê durante o choro. Isso fica ainda mais complexo se considerarmos a situação de nervosismo e estresse que o choro do bebê pode causar nos pais.

Por isso, a dica mais importante para conseguir adotar o método Dusntan é: tente manter a calma. Somente se acalmando é que você vai conseguir perceber qual é o som emitido pela criança.

Além disso, pode ser que você não decore rapidamente todas as variações de sons da linguagem do bebê. Então, não se apavore e busque uma cola na internet ou printe a tela com as informações em seu celular para ter acesso rapidamente quando precisar.

Linguagem corporal também é importante

Além dos sons, pais e responsáveis precisam ficar atentos aos movimentos e caretas do bebê. A linguagem corporal também pode ajudar a entender muito bem o que está acontecendo com os pequenos.

Por exemplo, o choro do bebê que indica cólica geralmente vem acompanhado de movimentos rápidos com as pernas. A mãozinha que vai ao olho e esfrega no rosto pode indicar sono e por aí vai.

Para quem é o método Dunstan?

O método se torna essencialmente útil para os pais que estão cientes de que nesse momento em que a criança ainda não fala, se apegar a outros detalhes e sinais e estabelecer uma comunicação eficaz é importante.

Esse processo também auxilia na criação dos primeiros vínculos entre pais e filhos, fazendo com que os laços se estreitem para além dos tempos em que o bebê estava protegido dentro do ventre materno.

Quem começa a usar o Método Dunstan tende a não largar mais. Por isso, não custa tentar e só vai exigir dos pais um olhar mais atento e um ouvido treinado. Quem sabe você e seu bebê se adaptam bem, e fazem da experiência o primeiro passo para uma comunicação saudável e fluida por toda a vida?

Se você já conhece e já fez uso, compartilhe conosco a sua experiência. Vamos adorar saber mais e outras mães certamente se beneficiarão com o seu relato. Bora papear, conta para nós!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading