Use o cupom: VINTE pra ganhar 20% de desconto !

Meu Filho Não Quer Comer? O Que Fazer?

Muitos pais se esforçam para garantir que seus filhos tenham uma dieta equilibrada. Mas, muitas vezes, acabam se deparando com o desafio de fazer com que as crianças sigam uma alimentação saudável.

Nesse contexto, alguns pais se dedicam horas na cozinha preparando refeições elaboradas, cheias de vitaminas e minerais. No entanto, acabam se frustrando ao ver que seu filho não quer comer, rejeitando tudo e optando por alimentos menos nutritivos.

A questão é que a alimentação saudável é um tema que preocupa os pais, e muitos acabam se sentindo culpados por não conseguir assegurar que seus filhos comam dessa forma. 

Entretanto, vale lembrar que as crianças têm suas preferências e um paladar próprio. Desse modo, forçá-las a comer algo que elas não querem, pode gerar o efeito oposto ao desejado.  

Mas, a ideia desse conteúdo é trazer soluções, sugerindo caminhos que possam facilitar a sua vida.

Seu filho não quer comer? Respire, persista e não desista!

Se o seu filho não quer comer alimentos saudáveis, não desanime! É comum que as crianças sejam seletivas quanto ao que comem, mas a persistência dos pais pode fazer toda a diferença. 

Mesmo que seja um desafio diário, é importante manter o foco no objetivo principal: investir na alimentação saudável e bem-estar do seu filho. 

Sabemos que pode ser difícil lidar com as rejeições alimentares das crianças, mas especialistas dizem que quando acontece a rejeição, isso tem a ver com a textura do novo alimento. 

No entanto, ao investir em receitas que driblam a textura original, a maioria dos pais se surpreende ao notar que a criança aceita muito bem. Portanto, não desista!

Ao investir tempo e esforço na promoção de bons hábitos alimentares desde cedo, você está ajudando seu filho a desenvolver um futuro mais saudável e feliz.

Como lidar com crianças que não gostam de comer nada

Lidar com crianças extremamente seletivas com os alimentos é frustrante, mas é importante entender que essa é uma fase comum do desenvolvimento infantil. É normal que as crianças, muitas vezes, recusem alimentos novos.

Sendo assim, uma boa estratégia é tirar o foco central da ingestão do alimento em si. Traga o tema para outro contexto ao envolver as crianças na escolha e preparação dos alimentos, tornando a refeição uma experiência mais divertida e prazerosa. 

Comece no processo de compra dos itens que seu filho não quer comer. Isso porque, levando-o com você ao mercado ou à feira para escolher os ingredientes, ele pode ver a possibilidade de experimentar com outros olhos. Por fim, não deixe de contar com a ajuda da criança na preparação dos pratos.

Outra dica é oferecer os alimentos novos de forma gradual, em dias alternados e em diferentes receitas. Além disso, é preciso ter paciência, pois pode ser necessária várias tentativas até que a criança aceite um novo alimento. 

Contudo, ressaltamos que é importante continuar oferecendo alimentos saudáveis ao menos três ou quatro vezes por semana, em diferentes horários,​​mesmo que a criança os tenha recusado no passado.

Criança escolhendo legumes no mercado
Criança ajudando a mãe a escolher frutas e legumes.
  • Comida como recompensa não

Não use recompensas alimentares, como prometer sobremesa em troca de comer vegetais. Isso pode criar uma relação negativa com a comida ao longo do tempo e não incentivar o desenvolvimento de hábitos alimentares saudáveis ​​posteriormente.

Além disso, usar essa tática quando seu filho não quer comer algo pode funcionar apenas no primeiro momento, mas depois a tendência é que a recusa volte. Ou pior, a criança passe a experimentar novos alimentos somente com condições de barganha.

  • A importância do exemplo

É fundamental que os pais considerem ser o principal exemplo de uma alimentação saudável. Se uma criança vê os pais comendo alimentos variados, é provável que ela desenvolva esses hábitos também. 

E, caso a criança apresente recusa constante e acentuada para alguns alimentos, é importante buscar orientação médica ou nutricional para avaliação do caso.

  • Confie no processo gradual e considere as pequenas vitórias

Preparar uma refeição para o seu filho e vê-lo rejeitá-la quase completamente pode trazer nervosismo, especialmente quando você investe tempo e energia na preparação. 

No entanto, é importante manter a calma e tentar se concentrar no que ele conseguiu consumir . Comemorar as pequenas vitórias é essencial e ajuda a reduzir o estresse.

  • Mantenha a rotina

Mesmo que o seu filho não tenha ingerido tudo o que você preparou, leve em conta o que ele comeu e elogie-o por isso. Lembre-se que a experimentação de sabores e texturas é um processo gradual – e o que é gostoso para você pode não ser para a criança. 

Apresente a refeição no horário de rotina habitual e caso perceba que seu filho não quer comer nada, retire o prato e volte a oferecer alimentos somente no próximo horário de refeições.

O desenvolvimento de hábitos alimentares exige persistência e disciplina, mas vale a pena. Então, mesmo que aguentar o processo seja difícil agora, continue persistindo e celebrando cada pequena vitória.

Como estimular uma alimentação saudável nas crianças

A obesidade infantil é um fato e o número de casos aumenta cada vez mais. Por isso, salientamos que persistir em estimular uma alimentação saudável nas crianças vai envolver percalços, mas vai garantir saúde e bem estar no futuro. 

Os hábitos alimentares adquiridos durante a infância têm um grande impacto na vida adulta. Além disso, pode influenciar também na saúde mental da criança. 

Sendo assim, para ajudar os pais nessa tarefa, separamos algumas dicas para estimular uma alimentação mais equilibrada nas crianças:

  • Deixe a criança lidar de verdade com os alimentos 

Permita que seu filho participe das decisões sobre o cardápio da família. Mas não apenas isso, durante o preparo, deixe que tenham tarefas ativas como lavar legumes ou misturar ingredientes. 

Aproveite para conversar sobre as possibilidades de receitas que cada ingrediente possui, podendo ser servidos assados, cozidos ou in natura. Descasque os alimentos e explique por que alguns deles podem ser consumidos mesmo com as cascas. Deixe seu filho tocar e cheirar sem grandes empecilhos.

Mãe e filhos preparando uma salada.
Crianças ajudando a mãe a preparar uma salada.
  • Apresente o local onde os alimentos são plantados

Sempre que possível, leve seu filho para conhecer um pomar, uma fazenda ou uma horta. Assim, ele conhecerá todo o processo de crescimento das frutas, legumes e verduras, observando como é o cultivo desde a semente até a colheita de cada item. 

Dessa forma, você promove o conhecimento dele sobre o alimento e até mesmo o paladar, pois muitas crianças podem ter uma relação diferente com os alimentos quando descobrem mais a respeito da origem deles.

  • A aparência também conta

A aparência dos alimentos pode ser um fator decisivo para as crianças, por isso, diversifique a apresentação dos alimentos, mantendo sempre uma refeição bonita e com um bom visual. 

Se o seu filho não quer comer só de olhar o alimento no prato, para as crianças menores, sempre vale tentar brincar com a montagem da comida, fazendo carinhas e formas.

Refeição criativa
Apresentação dos alimentos de forma lúdica e divertida.
  • Faça refeições com toda a família

As refeições são momentos de interação entre os familiares e o ambiente também de uma boa alimentação. Dar relevância a esse momento demonstrará a importância da participação de cada um, sobretudo se o seu filho ajudou na preparação.

Inclusive, torne rotineiro o costume de começar a refeição com saladas e posteriormente os demais alimentos. Para quem tem o hábito de consumir sobremesa, faça das frutas uma presença constante ao invés de opções açucaradas.

Como convencer seu filho a comer alimentos saudáveis

Convencer as crianças a comer alimentos saudáveis não é uma tarefa simples, pois grande parte delas preferem alimentos que contenham altos teores de açúcar, carboidratos e sódio. 

No entanto, para garantir uma alimentação equilibrada para os pequenos, é importante encontrar maneiras de incentivar o consumo de vegetais, legumes e frutas. 

Neste tópico, vamos apresentar algumas dicas para ajudar a convencer seu filho a comer melhor.

  • Mais vegetais

Uma estratégia eficaz para incentivar o consumo de vegetais é combiná-los ou processá-los. Dessa forma, é possível criar misturas que podem ser utilizadas como base para diversos pratos, incluindo molhos. 

Adicione os vegetais em preparações como panquecas ou massas, pois essas são receitas que as crianças costumam gostar bastante. Porém, mesmo utilizando essa técnica, é importante que os vegetais sejam apresentados também em sua forma natural, por exemplo, em uma salada.

Para tornar essa estratégia ainda mais eficaz, é importante apresentar os vegetais em pequenas porções, mesmo que seja em receitas, para que a criança experimente aos poucos e se acostume com o sabor.

  • Abordagem lúdica

A oferta de diferentes opções de vegetais e a explicação sobre a origem dos alimentos também pode ajudar a incentivar o consumo dos pequenos. É possível explicar de forma lúdica os benefícios de cada um. 

Por exemplo, pode-se citar o espinafre que o Popeye comia para ficar forte, ou que as cenouras fazem bem para a saúde da pele.

  • Mais legumes e leguminosas

Se o seu filho não quer comer esse tipo de alimento, assar os legumes é uma ótima maneira de preparo e inúmeras pessoas gostam muito dessa apresentação. 

Além disso, incluir legumes em lanches rápidos, como sanduíches, pode ser uma forma de introduzi-los na alimentação das crianças de forma mais fácil.

As leguminosas também são muitos versáteis e podem ser adicionadas em diversas receitas, como tortas, sopas e suflês. É o caso da lentilha, grão de bico, feijão ou ervilha. Outra forma de incentivar o consumo de leguminosas de formas mais atraentes, é por meio dos recheios de tacos ou wraps caseiros. 

Dessa forma, as crianças terão a oportunidade de experimentar esses alimentos de maneira diferente da tradicional e em receitas que geralmente são bem aceitas pelos pequenos.

  • Mais frutas

As frutas são alimentos importantes para o bom desenvolvimento de crianças e adultos. Além das versões ao natural e dos sucos tradicionais, é possível inovar no preparo das frutas para atrair os pequenos. 

Uma opção interessante é fazer “smoothies” congelando as frutas e batendo-as com leite ou iogurte. Essa bebida pode ser servida pronta ou – após bater a mistura – pode-se congelar em cubinhos de gelo, para que a criança possa consumir pequenas porções ao longo de dias quentes.

Outra alternativa que costuma agradar muito ao paladar infantil é o preparo de purês de frutas, que podem ser servidos acompanhados de pãezinhos, bolos ou biscoitos. Além disso, é possível incluir as frutas nas refeições como ingredientes de saladas, ou conforme já mencionamos, nas sobremesas.

Pare de brigar com os fast foods

Sabemos que o ideal é manter nossos filhos o mais longe possível das frituras e dos fast-foods, mas como isso nem sempre é possível, uma boa alternativa é fazer seu fast-food caseiro. 

Assim, o nugget de frango, peixe empanado, batatas fritas e hambúrgueres, podem ser feitos por você, utilizando ingredientes e formas de preparo mais saudáveis como:

  • Batatas doces e assadas ao invés de fritas;
  • Hamburgueres de carnes magras com temperos frescos;
  • Frituras em gorduras mais saudáveis;
  • Palitinhos de legumes (cenouras, beterrabas, pepinos etc.);
  • Uso de queijos magros;
  • Escolher assar ao invés de fritar;
  • Nuggets preparados de forma saudável;
  • Sucos naturais no lugar do refrigerante;
  • Opção de pão integral ao invés do tradicional.
Nuggets caseiro
Nuggets de galinha feito em casa de maneira saudável.

Lanchinhos que não pesam na consciência dos pais

Para criar lanches ​​que estimulem o apetite das crianças, há uma variedade de opções criativas e nutritivas para experimentar. Seguem algumas ideias para criar lanches divertidos e saudáveis ​​para as crianças.

Tapioca com queijo e geléia

Uma opção é fazer um lanchinho de tapioca com queijo branco, geléia de frutas e amêndoas em lascas. A tapioca é uma alternativa sem glúten e pode ser preparada facilmente. 

O queijo branco oferece proteína e a geléia de frutas adiciona sabor e outros nutrientes. As amêndoas em lascas dão um toque crocante e aprimora o sabor.

Salada de frutas e algo mais

Outra opção é preparar uma salada de frutas com iogurte grego. Isso é uma alternativa refrescante e saudável para as crianças, e oferece uma variedade de vitaminas e nutrientes. 

Para tornar uma salada de frutas ainda mais divertida, experimente cortá-la em formatos diferentes. Você também pode adicionar sementes de chia ou granola para um toque extra de textura e sabor.

Saladinhas versáteis

As saladinhas também podem ser uma opção para o lanche saboroso. Experimente criar uma salada com tomates cerejas e outros vegetais coloridos, adicionando frango grelhado, queijo e um molho saudável e gostoso para um lanchinho da tarde. 

Invista em embalagens e talheres coloridos, além de caprichar na montagem para deixar a apresentação bem apetitosa.

Se preferir, experimente fazer dessa mistura o recheio para duas fatias de pão de forma integral e você terá um sanduíche gostoso e muito saudável.

Criatividade sempre

Você também pode experimentar criar lanches completos em formatos diferentes, como redondos, triangulares e até com carinhas felizes. Isso ajudará a tornar o lanche mais atraente para as crianças.

Lembre-se de que a apresentação é especialmente importante para chamar a atenção das crianças, mas o sabor é essencial. 

Certifique-se de compor as misturas sempre com ingredientes diferentes, mas saborosos. Assim, elas não enjoam e você consegue assegurar uma boa diversidade de vitaminas e minerais. 

Viu só? Com um pouco de criatividade, você pode transformar lanches pouco apetitosos em opções divertidas e saudáveis.

Quadro de incentivo alimentar

O quadro de incentivo alimentar é uma ferramenta eficaz para estimular as crianças a comerem melhor e de forma mais saudável. Ele pode ser especialmente útil para crianças que são muito seletivas ou que têm dificuldade em experimentar novos alimentos.

Ao criar um quadro de incentivo, é importante torná-lo atraente e divertido para os pequenos. Usar adesivos temáticos para cada novo alimento aceito como forma de preenchimento costuma agradar muito as crianças.

Para utilizar essa ferramenta, é necessário definir as regras do jogo. Por exemplo, você pode estabelecer que a criança ganha uma estrela por cada refeição completa, incluindo todos os grupos alimentares, ou por cada nova comida experimentada. 

Ao usar o quadro, é importante ser consistente e positivo com as crianças. Lembre-se de elogiar seus esforços e progressos, e evitar críticas rígidas ou punições quando elas não conseguem cumprir seus objetivos. 

Em vez disso, ajude-as a identificar o que pode ser feito de forma diferente na próxima vez e incentive-as a continuar tentando.

Contudo, é importante lembrar que o quadro de incentivo não é uma solução mágica para os problemas alimentares das crianças. Ele deve ser usado em conjunto com outras estratégias.

Cultivando a própria horta

Ter uma horta em casa pode ser uma excelente ideia para incentivar as crianças a terem contato com a natureza e se interessarem por alimentos mais saudáveis. 

Se você tem um quintal disponível, é possível plantar diferentes tipos de hortaliças e leguminosas, proporcionando uma atividade divertida e educativa para toda a família. 

Além disso, é uma forma de ensinar as crianças sobre a origem dos alimentos e a importância de cuidar da natureza.

Mas, se você mora em um apartamento, não precisa desistir dessa ideia. É possível fazer uma “hortinha de temperos” em vasos ou jardineiras, e envolver os filhos no processo de plantio e cuidado. Plantas como orégano e tomilho, por exemplo, são fáceis de cultivar em ambientes fechados e podem ser usadas para temperar diversas receitas.

SOS especializado: meu filho não quer comer!

Complementando as dicas mencionadas anteriormente, é importante ressaltar que, em alguns casos, a ajuda profissional pode ser fundamental para a melhora da alimentação das crianças. 

O nutricionista é o profissional mais indicado para fornecer orientações sobre uma alimentação saudável e equilibrada, que atenda às necessidades do seu filho. 

Ao buscar ajuda de um nutricionista, os pais podem receber um plano alimentar personalizado para seus filhos, levando em consideração fatores como idade, sexo, peso, altura, hábitos alimentares e dificuldades de saúde.

O nutricionista também pode auxiliar no diagnóstico de possíveis deficiências nutricionais e, se necessário, indicar suplementos alimentares para complementar a dieta. Além disso, o profissional pode ajudar a identificar e tratar problemas alimentares, como a seletividade alimentar.

É importante destacar que a consulta com um especialista em nutrição não é indicada apenas para crianças com problemas alimentares. A nutrição é uma ciência que abrange todo o espectro da alimentação, e é fundamental para a saúde e bem-estar de todas as pessoas, independentemente da idade.

Outros profissionais também podem ser úteis em casos de dificuldades alimentares nas crianças. O psicólogo pode auxiliar na compreensão dos fatores emocionais que podem influenciar o problema, e ajudar a desenvolver estratégias para lidar com situações de estresse ou ansiedade durante as refeições.

O pediatra também pode ser um aliado importante, pois pode identificar problemas externos de saúde que podem estar afetando a alimentação da criança, e encaminhá-la para os profissionais adequados.

Resumindo, se o seu filho não quer comer e você já lançou mão de muitas estratégias sem obter sucesso, a busca por ajuda profissional pode ser muito útil. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading