was successfully added to your cart.

Você sabe o que é síndrome do ninho arrumado?

síndrome do ninho arrumado

O final da gestação se aproxima e você já está em contagem regressiva para conhecer o rostinho do seu bebê. Mas, de repente, percebe que sente uma vontade louca de limpar e organizar a casa toda? Não se preocupe, você não está sozinha. Esse é um impulso conhecido como síndrome do ninho arrumado.

Nem todas as mulheres, na reta final da gravidez, têm esse ímpeto. Mas sabemos que ele é muito natural para a maioria. Geralmente, acontece no terceiro trimestre. Para as mães de primeira viagem, é ainda mais comum.

Exatamente no momento em que todos dizem que é hora de descansar e relaxar, o seu desejo é o oposto e não falta energia para uma boa faxina! Então, o que é a síndrome do ninho arrumado, por que ela acontece e como saber que você está lidando com ela?

Vamos responder essas perguntas para ajudá-la a entender melhor o que está acontecendo e como lidar com esse acontecimento de maneira natural e saudável para você e seu bebê. Continue a leitura!

O que é a síndrome do ninho arrumado?

Nossas avós já diziam: “Deu vontade de limpar a casa? Prepare-se porque a hora está chegando!”. Esse é um comportamento observado há alguns anos e tem identificação com as fêmeas do reino animal, especialmente com os pássaros, em um instituto conhecido como nidação.

Durante a nidação, os animais fazem seus ninhos e preparam o ambiente para garantir segurança e proteção à fêmea e ao filhote. É também conhecido como aninhamento, por isso, a síndrome recebeu esse nome.

Para as mulheres, é definida como uma hiperatividade, em que elas se ocupam com todo tipo de arrumação que nunca tinham feito em suas casas — aquela limpeza que envolve os cantinhos da residência que nunca são visitados, ou uma organização geral no quartinho da bagunça para se livrar de tudo acumulado ali.

Por que ela acontece?

No final da gravidez, não é só o corpo que já está preparado para receber o bebê, mas o cérebro também está trabalhando nesse sentido. Por isso, a necessidade de preparar o “ninho” para receber o neném se torna ainda mais latente.

Exatamente como no instinto animal, a mulher deseja deixar tudo limpo para a chegada do bebê, daí surge a necessidade de uma faxina. Além disso, limpar e organizar transmitem a sensação de segurança e bem-estar no ambiente, o que as mães também querem garantir para o novo membro da família.

Outro fator comum que provoca a síndrome do ninho arrumado é a ansiedade que envolve as mulheres na fase final da gravidez. Fazer uma grande faxina, lavar roupinhas, dobrar e guardar pode garantir que a cabeça se ocupe e dissipe os pensamentos que giram em torno das preocupações sobre como será o parto e onde ele vai ocorrer, ajudando a contornar a necessidade de controlar cada acontecimento.

O medo do desconhecido bate à porta e o sono já não é mais o mesmo depois dos chutes que não param mais. Por isso, dedicar o tempo a outras atividades provoca nas futuras mamães o sentimento inevitável de garantir um ambiente confortável, limpo e arrumado.

Como saber se tenho a síndrome do ninho arrumado?

Alguns sinais podem ajudar a identificar a síndrome do ninho arrumado, mas é claro que os sintomas variam de pessoa para pessoa. Contudo, como parâmetro, é possível observar algumas atitudes, como:

  • energia extra: se for para arrumar e limpar, parece que sua energia não tem fim. A disposição é irreconhecível para quem carrega um grande barrigão;
  • vontade repentina de mudar os móveis de lugar: mesmo com o quartinho do bebê todo no lugar, você decide mudar a posição do berço, alterar alguns itens na decoração e rever a aplicação do papel de parede;
  • faxinar em momentos incomuns: a madrugada parece ser o momento perfeito para começar uma limpeza pesada pela casa toda;
  • lavar as mãos: uma necessidade incontrolável de lavar as mãos aparece a todo momento;
  • perder o sono, pensando no que poderia limpar;
  • jogar tudo que não usa no lixo;
  • deixar uma atividade de lado para limpar um cantinho onde enxergou alguma poeira;
  • hiperatividade, sem se permitir o descanso para ver tudo perfeitamente arrumado;
  • desejo de ter por perto apenas os familiares mais próximos;

Como lidar com a situação sem perder a cabeça?

Se a síndrome do ninho arrumado for identificada, o primeiro passo é entender que, mesmo com os ímpetos e os desejos de colocar a mão na massa, em alguns momentos será preciso frear a si mesma para o bem do seu bebê.

Nessa hora, vale muito a pena pedir ajudar e abrir mão de tarefas que possam colocar em risco você ou seu filho. Por isso, se for para subir escadas ou se aventurar em cima de banquinhos, prefira delegar a tarefa ao pai ou alguém que possa ajudar.

Inclua nisso também as tarefas que envolvem carregar peso. Mesmo que julgue que sejam objetos leves, o melhor é não carregar nada de um lugar para o outro. Deixe que uma pessoa próxima faça isso por você.

Durante a limpeza, tenha cuidado com os produtos químicos, agora que seu olfato está ainda mais sensível, e use roupas confortáveis que permitam movimentos com maior liberdade.

Além disso, o essencial é fazer apenas o necessário. Assim, se empenhe em selecionar as atividades que sejam realmente importantes no momento e tenha paciência para tolerar o restante, pois elas podem esperar até o bebê nascer para serem concluídas.

Na tentativa de evitar que a síndrome apareça, é possível se antecipar e deixar tudo arrumado enquanto a barriga ainda está crescendo. Para isso, faça a decoração do quartinho do bebê, lave as roupinhas e deixe tudo no lugar. Se possível, contrate alguém ou peça ajuda para faxinar a casa e tirar tudo o que ainda incomoda.

O principal cuidado deve ser com a sua saúde e a do bebê. Portanto, não fique obcecada pela organização. As últimas semanas devem ser leves, priorizando os cuidados com si mesma e a preparação para o parto.

Assim, é preciso ter equilíbrio. Por isso, é importante saber lidar com a síndrome do ninho arrumado para manter uma gravidez saudável e o bom relacionamento com os demais membros da família.

Gostou do texto? Se você já enfrentou a síndrome do ninho arrumado ou está passando por ela, compartilhe sua experiência com outras mamães!

Deixe um Comentário