Bolsinhas, Sacos, Estojos e Organizadores com 20% off! Até 23/06. Use o cupom amo20

APLV ou intolerância à lactose? Entenda a diferença

Você sabe quais são as diferenças entre APLV e Intolerância à lactose? Ainda que muito semelhantes – e frequentemente confundidas – as duas condições possuem particularidades que precisam ser consideradas na hora do tratamento.

O leite de vaca é um alimento bastante presente na rotina dos seres humanos. Quando não ingerimos diretamente, acabamos consumindo através de seus derivados, como queijos e manteigas.

No entanto, vem crescendo o número de pessoas que apresentam quadros de APLV ou intolerância à lactose. Mas, afinal, qual a diferença?

Diferença entre APLV e intolerância à lactose

APLV é uma doença que acomete cerca de 6% de crianças com menos de três anos e pode afetar 3,5% dos adultos, conforme informações do Programa APLV.

Já a intolerância à lactose é mais comum, e só no Brasil, pode acometer cerca de 70% dos adultos, conforme matéria publicada pelo G1. Porém, para entender melhor as diferenças entre uma e outra, vamos destacar os principais sintomas de ambas.

Sintomas de APLV

A APLV é uma reação alérgica à proteína do leite. Essa reação é uma resposta imunológica, que ocorre especialmente quando se trata de três proteínas: caseína, a beta-lactoglobulina e a alfa-lactalbumina.

A alergia pode ocorrer por conta do que chamamos de hipolactasia secundária. Esse quadro acontece quando a pessoa tem alguma doença inflamatória ou infecciosa no intestino.

Isso acaba diminuindo a produção de lactase, que é uma enzima essencial para metabolizar a proteína do leite. E quando isso acontece pode desencadear uma APLV, cujos sintomas são:

Digestivos:

  • Dificuldade para engolir;
  • Sensação de alimento parado na garganta;
  • Dificuldade na digestão;
  • Falta de apetite;
  • Recusa alimentar;
  • Golfos e vômitos;
  • Cólicas intensas e diarreia;
  • Sangue ou muco ao defecar;
  • Intestino preso;
  • Assadura na região anal.

Respiratórios:

  • Coriza e obstrução nasal;
  • Respiração com chiado, com alguma dificuldade ou tosse;

Algumas pessoas podem ainda apresentar sintomas mais raros como reação na pele, ressecamentos e dermatites, coceiras, feridas e inchaços nos lábios e/ou nas pálpebras.

As crianças também podem apresentar dificuldade no ganho de peso e problemas no crescimento e desenvolvimento.

Sintomas de intolerância à lactose

A intolerância à lactose, também chamada de IL, ocorre quando o corpo não produz lactase suficiente para processar a proteína do leite, chamada de hipolactasia. Ela pode ser hipolactasia primária ou secundária.

A primária acontece por conta do avanço da idade. Naturalmente diminui a quantidade de enzimas, o que compromete o consumo do leite na fase adulta. Já a secundária é aquela que pode vir a desencadear a APLV.

Os sintomas mais comuns são:

  • Náusea;
  • Dores abdominais e cólicas com variadas intensidades;
  • Diarréia ácida e abundante;
  • Gases e desconforto.

Os sintomas podem variar de intensidade. Isso depende do quanto cada organismo é capaz de tolerar a proteína antes de manifestar os sintomas. No entanto, eles costumam ser percebidos logo em seguida ao consumo.

O que é APLV mista?

A alergia a proteína de leite de vaca pode se manifestar de duas formas: reações mediadas por IgE (ou imediatas) e as não mediadas por IgE (ou tardias).

Há uma diferença importante entre os tipos, e é preciso entendê-las para também compreender o que é APVL mista.

As mediadas por IgE ocorrem quando o organismo passa a produzir alguns anticorpos que se opõem às proteínas. Essas costumam ser reações bastante resistentes e se apresentam de forma mais grave.

Nesse caso, as crianças costumam manifestar os sintomas cerca de 2 horas após o consumo do agente alergênico. São necessários testes específicos para identificar os anticorpos que desencadearam a reação alérgica.

Já nas reações chamadas de tardias, o corpo não produz os anticorpos. As reações aparecem algum tempo depois, demorando horas ou até dias para se manifestarem.

É mais difícil verificar reações tardias pois, os exames tradicionais não conseguem identificar a alergia. É preciso analisar o histórico alimentar do paciente  minuciosamente.

Por fim, na APLV mista as duas situações se misturam. Não há exatamente um padrão, podendo o paciente alérgico apresentar sintomas imediatos ou tardios após a ingestão do leite. É um diagnóstico trabalhoso, mas essencial para definir o tratamento adequado.

Exames para detectar o problema

Existem muitos exames que podem ser indicados para detectar APLV ou intolerância à lactose. Muitas vezes, o médico pede apenas um ou combina mais de uma técnica para ter certeza do diagnóstico.

Os exames mais utilizados são:

  • Exame de sangue;
  • Teste cutâneo;

Caso o médico comece um tratamento e não obtenha os resultados esperados, também pode ser solicitada uma endoscopia para analisar outras causas para os problemas gastrointestinais.

No entanto, o mais importante é que os pais ou o adulto que sofre de intolerância à lactose ou APLV, informe ao médico sobre sua dieta e tenha um registro a respeito dos alimentos que desencadeiam as reações imediatas ou tardias.

Em que fase a APLV é mais comum?

Na maioria das vezes o problema aparece em bebês e crianças até os 3 meses de idade. Estima-se que cerca de 80% dos casos de APLV aconteçam nessa faixa etária.

A tendência é que a criança se torne mais resistente à proteína conforme o tempo passa, e o organismo amadureça. No entanto, isso não dispensa a atenção médica quando os sintomas surgem.

Tratamento adequado para quem tem intolerância à lactose ou APLV

A primeira ação para tratar APLV ou intolerância à lactose é excluir da dieta todos os alimentos que possuem leite na composição.

É importante destacar que no caso de alergia não importa a quantidade ingerida, mas o mínimo contato com a proteína já pode desencadear os sintomas. Por isso, os médicos sugerem uma dieta completamente livre de leite.

Se houver necessidade de medicação, o médico deverá indicar. Contudo, ao evitar a ingestão do leite e derivados, os resultados costumam ser eficazes e satisfatórios.

Aleitamento materno:

Para bebês e crianças que ainda estão em idade de amamentação também pode ser indicada uma dieta restritiva para a mãe. Portanto, a mulher também deve excluir de sua dieta os alimentos que contenham leite de vaca.

Fique atento aos sintomas

Embora a APLV e intolerância à lactose sejam muito confundidas, são quadros completamente diferentes. Principalmente quando consideramos que a alergia pode colocar a vida em risco, enquanto a intolerância dificilmente evolui para algo grave.

A alergia provoca uma reação imunológica que pode desencadear um choque anafilático, o que requer socorro imediato. Já a intolerância à lactose ocorre por defasagem de uma enzima específica que metaboliza a proteína do leite.

Em qualquer uma das suspeitas é fundamental buscar orientação médica e procurar o tratamento adequado, que na maioria das vezes se inicia com a dieta restritiva. 

One response to “APLV ou intolerância à lactose? Entenda a diferença

  1. Prezados,
    Sugiro que seja feita uma revisão na matéria pois há uma confusão entre os conceitos de APLV e intolerância à lactose. No primeiro, o organismo tem uma resposta imunológica à proteína do leite (caseína, dentre outros), enquanto que na intolerância à lactose, o organismo não metaboliza o açúcar do leite (lactose) em virtude de deficiência na produção de lactase.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading