Já identificou seu material escolar? Nós podemos te ajudar ;-)

Seu filho não come? Conheça o transtorno de processamento sensorial!

transtorno de processamento sensorial

Seu filho tem dificuldades para comer? Infelizmente, esse é um caso comum durante os primeiros anos da infância, e muitos pais passam por sérios problemas para contornar essa situação e conseguir promover uma rotina alimentar para as crianças.

Alguns, desinformados quanto aos principais pontos sobre o tema, tentam forçar as crianças a comerem, uma atitude que, além de insatisfatória, pode a piorar a situação.

Uma das razões pelas quais os pequenos podem evitar comer é a presença do transtorno de processamento sensorial. Já tinha ouvido falar sobre ele? Vamos apresentar a questão para você a seguir. Boa leitura!

O que é o transtorno de processamento sensorial?

Nos primeiros anos de vida, tudo é novo para a criança. O cérebro, ainda em formação, está começando a captar e a discernir os primeiros estímulos externos, como a voz dos pais, a diferença entre algo quente e frio, entre outras percepções. A partir disso, é gerado o desenvolvimento sensorial do pequeno.

O transtorno de processamento sensorial faz com que o indivíduo tenha uma maior ou menor sensibilidade a esses estímulos em comparação à população média na mesma faixa de idade. Isso pode afetar qualquer um dos sentidos: audição, visão, tato, paladar ou olfato, ou ainda impactar mais de um sentido ao mesmo tempo.

Ou seja, nesse caso, há uma percepção que está em um dos extremos do espectro: ou a criança tem hipossensibilidade ou hipersensibilidade a determinados elementos, e isso passa a incomodá-la.

Quais as principais características do transtorno de processamento sensorial?

Como vimos, quando a criança tem o transtorno de processamento sensorial, ela apresenta determinados comportamentos que podem indicar uma maior sensibilidade a determinadas questões ligadas a alguns sentidos ou a todos eles ao mesmo tempo.

Por exemplo, a criança passa a ter um certo incômodo com pessoas a tocando constantemente, não gosta do contato com as roupas, sapatos e meias, reclama que todo toque dói etc. Ela começa a ficar mais retraída, justamente para não enfrentar essas situações.

Na parte alimentar, o pequeno pode passar a não comer determinadas texturas ou sabores porque aquilo o incomoda consideravelmente. Também é possível que ele desenvolva uma tendência a evitar alimentos com sabores intensos. Em alguns casos, qualquer sabor gera um incômodo, e a criança passa a não querer comer nada.

Quais as diferenças entre hipossensibilidade e hipersensibilidade no transtorno?

No transtorno de processamento sensorial, como falamos, pode ocorrer um dos extremos: uma hipossensibilidade ou uma hipersensibilidade. Vamos mostrar algumas diferenças entre esses aspectos a seguir.

Hipossensibilidade

Na hipossensibilidade, a criança tem muita dificuldade em conseguir processar os estímulos externos, de forma que ela necessita de um contato maior com os itens que manipula para conseguir trabalhar com eles. Esse fato faz com que o pequeno realize as seguintes ações:

  • grita (hipossensibilidade auditiva);
  • gosta de subir em lugares altos (hipossensibilidade espacial e visual);
  • esbarra constantemente nas coisas (hipossensibilidade espacial e visual);
  • mastiga todos os objetos (hipossensibilidade no paladar);
  • come excessivamente (hipossensibilidade no paladar);
  • gosta de cheirar todos os objetos e pede sempre por perfumes (hipossensibilidade olfativa);
  • adora objetos coloridos e excesso de iluminação (hipossensibilidade visual);
  • tem necessidade de tocar em tudo (hipossensibilidade tátil).

Hipersensibilidade

Nesse caso, a criança apresenta uma maior sensibilidade aos estímulos externos, de forma que o mínimo contato estimula de forma exagerada seus sentidos. Ela apresenta os seguintes comportamentos:

  • tampa a orelha diante de barulhos (hipersensibilidade auditiva);
  • não consegue comer muitos alimentos ou não suporta texturas específicas (hipersensibilidade no paladar);
  • não gosta de ser muito tocada (hipersensibilidade tátil);
  • recusa-se a tomar banho ou a brincar com água (hipersensibilidade tátil);
  • anda na ponta dos pés (hipersensibilidade tátil);
  • evita atividades que possam sujá-la (hipersensibilidade tátil);
  • reclama de cheiros (hipersensibilidade olfativa);
  • não gosta de ambientes iluminados ou muito coloridos (hipersensibilidade);
  • sente que tudo causa dor (hipersensibilidade tátil);
  • tem problemas de aprendizagem gerados pelo incômodo com os estímulos;
  • sofre com problemas de sono derivados da hiperestimulação.

Quais estratégias devem ser utilizadas se a criança tem aversão sensorial a alimentos?

Além de tudo que falamos, é importante que os pais observem do que a criança realmente gosta e ao que ela criou aversão, para avaliar se o problema está relacionado com coisas específicas (por exemplo, determinadas cores, sabores ou texturas) ou se é um quadro generalizado.

Em primeiro lugar, se você suspeita que seu filho tem esse transtorno, é fundamental buscar auxílio com um profissional para que o diagnóstico seja feito. O pediatra, diante do relato dos pais, das conversas com o pequeno (caso já tenha uma boa expressão pessoal) e dos testes clínicos poderá gerar o diagnóstico preciso sobre a questão.

A partir da confirmação do quadro, tenha consciência de um ponto: uma criança que tem o transtorno é tão inteligente quanto qualquer outra. Ela apenas tem uma forma diferente de processar os estímulos externos e precisa de maior atenção quanto a isso. Afinal, devido aos incômodos da hiperestimulação, pode ter dificuldades de aprendizagem. Portanto, buscar auxílio e tratamento é fundamental.

Em alguns casos, terapias ocupacionais podem ser grandes aliadas no processo, para que se possa realizar uma abordagem de integração sensorial diferenciada. Com o tempo e a terapia, a criança poderá ter uma resposta mais próxima de quem processa os estímulos de forma mais tranquila. Isso não significa que ela está curada (o transtorno não tem cura), mas que passou a lidar melhor com a questão.

Nos casos de hipossensibilidade, os pais devem tomar cuidado para que os pequenos não consumam elementos que não são comestíveis e evitem possíveis excessos alimentares. Já na hipersensibilidade, os responsáveis precisam observar se há uma certa seletividade alimentar ou se o problema engloba todo o processo de alimentação.

Não brigue com a criança. Isso realmente a incomoda, não é uma espécie de pirraça. Então, não a deixe com medo com condutas mais agressivas. Converse com o pequeno sobre a necessidade de comer, encontre alternativas alimentares que o incomodem menos e utilize elementos lúdicos para conseguir estimulá-lo a se alimentar continuamente.

Lembre-se de que ter paciência é fundamental. A própria criança não tem consciência do que está acontecendo ou das razões pelas quais os estímulos a incomodam. O acolhimento é essencial para que ela possa ficar mais tranquila e aprender, com seus responsáveis, a lidar com essa situação.

Seu filho apresenta algum dos pontos que falamos acima? Tem o transtorno de processamento sensorial? Como você lida com a situação atualmente? Deixe um comentário com sua experiência!

114 responses to “Seu filho não come? Conheça o transtorno de processamento sensorial!

  1. Gostaria de saber que estratégias poderia usar para minimizar o transtorno de lidar com uma criança de cinco anos autista, que tem hipersensibilidade a água.

  2. Olá. Meu filho já tem quinze anos, mas até hoje sofro com alguns comportamentos dele. Ainda era bebê quando aprendeu todas as letras do alfabeto. Aprendia tudo muito rápido, não gostava de andar descalço, na grama, se sujar, tomar banho de mar, piscina . Não gosta de bola, educação física, pula pula, escorregador. Enfim até hoje tem muita frescura.
    Não gosta de barulho, claridade, só gosta das mesmas comidas. Tem insônia.
    Não gosta de sair de casa, de ir em outro banheiro.

  3. Minha filha tem 4 anos e só come carne de churrasco e bife, tapioca de catufrango, biscoito de polvilho, batata frita, bolo de chocolate, algumas bolachas, leite e suco de laranja. Fiz a introdução alimentar com ela e foi tranquilo, porém quando começou a selecionar, foi parando, parando e ficou só nisso. Quando estamos à mesa, ela sente o cheiro do que estamos comendo e, muitas vezes, tem ânsia, às vezes quase vomita.

  4. Meu bebê de 6 meses toda vez que vai se alimentar com os alimentos mais sólidos e com texturas tem ânsia dr vômito, e não aceita comer nada assim, notei que ele tbm toca as coisas com todo cuidado e na ponta dos dedos, a pediatra me pediu pra procurar a avaliação de um terapeuta ocupacional pra ver se ele tem o transtorno!

    1. Olá Patrícia, seu bebê está em fase de descoberta dos novos alimentos, até então ele era acostumado a consumir leite (seja materno ou fórmula infantil). Neste período a alimentação complementa o leite, o bebê não sabe que a comida vai matar a sua fome, as texturas, os sabores, os cheiros são novos também, por isso ele tem uma sensibilidade com esses alimentos. Agora é momento de reduzir as expectativas e ensinar para o bebê a se alimentar, ofereça sempre a oportunidade de pegar, amassar, cheirar, aos poucos ele vai acostumando e aprendendo a se alimentar. Te indicaria um acompanhamento com nutricionista Materno Infantil para te auxiliar nessa fase.

      1. Observando o estudo, meu filho tem hipersensibilidade, ao barulho, cheiros, não gosta de se sujar, repulsa a maioria alimentos, alguns causam ânsia?
        Qual direcionamento Tomar? Comecei consultas com Fono.

  5. Minha filha tem 7 anos so quer comer arroz , feijao diz que tem cheiro forte, ovo tambem ñ come e nem carne. Polenta tem que ser mesmo firmato asdim como psteis. Come tipo de salgadinho so tipo de iogurte . Bem complicado sente muito medo de animais sente versao de tocalos, tem medo de altura.

  6. Minha filha parce ter hiposensibilidade ,eu comecei a entender certos comportamentos dela ,quero aprender mais pra judar ela

  7. O meu não tem seletividade graças a Deus,come tudo 🙏, ele hipo, ele grita,ri alto, rápido se entedia, apesar de a rotina ser boa pra ele, ele quer agitação, gosta de festa,fogos,rua, tenho impressão enquanto pequeno é bom, mais corro o risco de ser um autismo que vá sair de casa e não me avisar, ele tem medo, mais vai c qualquer um, ele gosta de crianças, mais como não sabe agir com elas vejo apanhando e o pior ele volta pra elas😢 ele se sente feliz estando perto mesmo não sendo bem vindo, ele quer ir pra casa dos outros mesmo não querendo ele lá, não sei se preferia ele distante das pessoas ou não sabe, tenho medo dele se ferir por procurar esse contato, ele abraça as crianças e muitas não gosta principalmente as meninas, é tenso

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading