Bolsinhas, Sacos, Estojos e Organizadores com 20% off! Até 23/06. Use o cupom amo20

Entenda o que é hiperêmese gravídica, sintomas e como tratar

A hiperêmese gravídica é uma condição rara que causa enjoos e vômitos demasiados e coloca a saúde da gestante em risco. Os enjoos matinais são velhos conhecidos das mulheres na gestação e ele pode ocorrer em qualquer período nesta fase.

No entanto, quando esse enjoo persiste durante todo o dia causando vômitos frequentes é preciso ter atenção, pois, pode se tratar de hiperêmese gravídica e levar a mulher a um quadro de desidratação.

Entenda o que é hiperêmese gravídica, sintomas e como tratar

A gestação é um período de grandes mudanças físicas e psicológicas. Algumas situações podem acontecer e ser bastante desconfortáveis, demandando um acompanhamento cauteloso, como é o caso da hiperêmese gravídica.

Apesar de ser uma complicação rara (que acomete cerca de 1,5% das gestantes em todo o mundo) é importante conhecê-la e identificá-la rapidamente. Assim fica mais fácil conter os sintomas e encontrar conforto e segurança para a mulher durante a gravidez.

O que causa a hiperêmese gravídica

Durante a gravidez o corpo da mulher está passando por uma verdadeira revolução hormonal. Médicos e especialistas associam os casos de hiperêmese justamente à essas mudanças drásticas na carga hormonal que ocorre de forma tão abrupta.

Sendo assim, grávidas com um organismo mais sensível ao HCG, principal hormônio da gravidez, podem apresentar os episódios de vômitos frequentes. Com isso, a hiperêmese gravídica pode ser considerada e isso vai demandar mais atenção.

Alguns estudos também correlacionam a ocorrência da hiperêmese em mulheres com quadros de depressão, embora não existam ainda dados conclusivos sobre isso.

Grávidas famosas e a hiperêmese

Há algum tempo o assunto se tornou bastante comentado na mídia brasileira por conta da atriz e apresentadora Tatá Werneck, que enfrentou o quadro durante a gestação de sua primeira filha.

Os vômitos eram tão intensos que a artista chegou a participar de uma premiação levando consigo um balde para lidar com a situação.

Outra celebridade que acabou enfrentando a doença – nas suas três gestações – foi Kate Middleton, duquesa de Cambridge e esposa do príncipe William.

Assim como Tatá, Lady Middleton também passou por enjoos intensos, vômitos frequentes e um grande mal-estar físico enquanto gestava seus filhos.

Riscos e consequências do quadro de hiperêmese gravídica

Para além do próprio mal-estar típico, que por si só já é ruim –  e deve ser tratado – a hiperêmese gravídica pode gerar complicações.

Ela é considerada uma doença, e não um sintoma de gestação. No que diz respeito à saúde física da mulher, a doença pode causar:

  • Fraqueza acentuada;
  • Desidratação grave;
  •  Perda intensa de vitaminas e minerais;
  •  Perda de peso além do normal;
  • Cetose.

Ainda que não seja associada diretamente às mortes gestacionais, a doença pode levar a mulher a internação por conta da grande perda de nutrientes.

Essa perda pode gerar alterações metabólicas importantes, que não são saudáveis para a gestante. No entanto, além dos efeitos físicos o quadro também causa algumas perturbações em outros âmbitos.

É comum, por exemplo, que a grávida se isole socialmente por conta dos vômitos. Ela pode se sentir mais triste e solitária enquanto enfrenta o problema.

Riscos para o bebê

Durante a gravidez o corpo da mulher precisa dar conta de manter dois organismos saudáveis: o dela e o do feto. Por isso, é preciso complementar a dieta com suplementos específicos indicados pelo médico.

Se durante a gestação uma mulher enfrentar uma hiperêmese gravídica, o seu corpo poderá se fragilizar ainda mais. Desse modo, o bebê pode também sofrer com a redução de nutrientes e vitaminas, que são fundamentais para o seu desenvolvimento saudável.

No entanto, vale ressaltar que não há associações diretas dessa doença com ocorrências de abortos espontâneos. Porém, ela pode sim, desencadear um parto prematuro.

Como identificar a hiperêmese

Enjoar pelas manhãs durante a gestação é comum. A maioria das mulheres relata passar por isso, em especial, durante o primeiro trimestre. Isso porque as taxas hormonais estão aumentando de maneira expoente e veloz demais.

Entretanto, esses enjoos são pontuais – geralmente durante a manhã ou logo após uma refeição – e costumam responder bem ao uso de medicamentos indicados especificamente para enjoo.

Já um quadro de hiperêmese gravídica tem condições bem diferentes. Primeiro, os enjoos não têm hora para aparecer. É comum que a gestante sofra com náuseas e vômitos durante o dia todo – até à noite.

Além disso, o enjoo se apresenta muito resistente e costuma não responder a administração medicamentosa comum. Muitas vezes, é inevitável que a mulher vá até um pronto atendimento para receber medicação intravenosa.

O que fazer para evitar a hiperêmese gravídica

Não há exatamente uma forma de evitar a hiperêmese gravídica. No entanto, para qualquer situação é sempre recomendado que a gestante mantenha uma alimentação equilibrada e saudável.

Também é adequado tentar manter uma alimentação fracionada. Ou seja, comer várias vezes ao dia em pequenas ou médias porções, e evitar essencialmente refeições muito pesadas.

Além disso, é de conhecimento geral que alimentos muito gordurosos e condimentados costumam causar azia e também podem impulsionar os enjoos. A alimentação saudável se torna um pilar crucial durante toda a gestação.

De qualquer forma, o importante é que a mulher grávida realize o seu pré-natal corretamente e siga sempre as orientações médicas.

Tratamento da hiperêmese gravídica

Conforme a gestação evolui é esperado que o quadro se amenize naturalmente. Porém, a mulher não deve simplesmente esperar os dias passarem.

Como dissemos antes, a hiperêmese gravídica pode levar à cetose e desidratação, o que deve ser evitado especialmente na gestação. Sendo assim, com a prescrição médica, a mulher deve se valer da medicação para minimizar seu sofrimento.

No entanto, é um desafio para a gestante conseguir se alimentar e manter o medicamento no organismo. Por isso, é comum que ela seja hospitalizada para administração endovenosa.

Os médicos podem receitar vitaminas adicionais e orientar a mulher sobre como amenizar os sintomas. Mas, é importante olhar com cuidado o próprio peso e acompanhar com mais rigor o desenvolvimento do bebê.

Sempre vou ter hiperêmese gravídica nas gestações?

Uma das dúvidas mais comuns das mulheres acerca desse assunto é se depois de enfrentar o problema em uma gestação ela pode voltar a tê-lo nas outras.

Como dissemos antes, pode ser que o quadro se desenvolva por conta de uma sensibilidade do organismo aos hormônios típicos da gestação.

Porém, não passa a ser uma regra que o organismo da mulher que apresentou sensibilidade, sempre se comportará da mesma maneira em todas as gestações.

Não obrigatoriamente a mulher que sofreu com hiperêmese gravídica na primeira gestação vá passar por isso em todas. Cada gestação é única e elas podem mudar bastante entre si.

No entanto, há casos em que a doença se repete a cada nova gravidez, como foi o caso da duquesa de Cambridge e esposa do príncipe William, Kate Middleton.

De qualquer forma, vale sempre a máxima: consulte o seu médico. Se já passou por uma hiperêmese gravídica e está novamente grávida, é interessante avisar ao obstetra para que ele acompanhe seu caso com mais atenção. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading